Parte do PSDB na Câmara quer eleger nova direção executiva

Grupo articula apresentar uma “PEC Partidária”; ideia é eleger o senador Tasso Jereissati em caráter definitivo e tirar o senador Aécio Neves

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2017 | 03h00

Diante do cenário de incertezas, parte da bancada do PSDB na Câmara articula apresentar uma “PEC Partidária” para renovar a direção executiva tucana no segundo semestre, e não em maio, quando termina o atual mandato dos dirigentes.

A ideia é eleger o senador Tasso Jereissati (CE) em caráter definitivo e tirar o senador Aécio Neves (MG), que mantém o cargo de presidente afastado, do cenário partidário. "Foi um erro renovar o mandato da executiva esse ano. É possível antecipar a mudança (para antes de maio de 2018). Só é preciso encontrar uma fórmula", disse o vice-presidente da sigla, Alberto Goldman. 

Pelo estatuto, o caminho seria a realização de uma convenção partidária com os mesmos delegados que elegeram a atual direção. Assim, seria possível eleger uma nova executiva. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.