Parlamentares são contra cotas raciais no Congresso

A idéia de criar cotas no Congresso Nacional para parlamentares indígenas, lançada pelo presidente da Fundação Nacional do Índio, Mércio Pereira Gomes, em entrevista ao Estado, dificilmente encontrará apoio entre os atuais senadores e deputados. A proposta foi classificada de "impraticável" e sem sentido."É absolutamente inviável. Eu já considero muito difícil num País como o Brasil determinar cotas considerando a etnia de uma pessoa", disse o senador Jefferson Peres (PDT-AM). "E no Parlamento é eleito quem tem mais votos. Cotas não me parecem democráticas."O líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ), também considera a proposta de Mércio sem sentido. "Não vejo nenhum sentido nisso. O Congresso já representa a média do País. A sociedade brasileira já está representada", disse Maia.Para o deputado, cotas raciais apenas aumentariam uma distorção que já existe no Congresso, com a exigência de uma bancada mínima de oito deputados por Estado."Estados que, pela população, deveriam ter apenas um ou dois parlamentares já têm oito, o que distorce o valor do voto do cidadão. Se criarmos cotas raciais, ainda, apenas arranjaremos mais uma distorção", afirmou.Mércio tomou como exemplo a Colômbia, que determinou a existência de cotas indígenas. No entanto, naquele País os indígenas representam 20% da população. No Brasil, são apenas 0,3%.O próprio presidente da Funai admitiu ao Estado que essa diferença dificulta a idéia, mas acredita que pode começar com a criação de uma assembléia indígena permanente, até convencer o Congresso da viabilidade da sua idéia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.