Parlamentares emendam a semana e deixam o Congresso vazio

A Câmara e o Senado viveram uma semana de gazeta parlamentar. Às vésperas da Sexta-feira Santa, a maioria dos deputados e senadores preferiu emendar a semana e não apareceu em Brasília, com prejuízo para o andamento de matéria consideradas relevantes pelo governo.Hoje, em plena quarta-feira, apenas 261 deputados passaram pelas portarias da Câmara. No Senado, o painel registrou a presença de 35 senadores. Ou seja: exatamente a metade dos congressistas - 513 deputados e 81 senadores - esteve no Congresso. Não houve sessão de votação nem no plenário da Câmara nem no Senado.Uma das ausências mais notadas foi a do presidente do Senado, Ramez Tebet (PMDB-MS). Junto com o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), e o senador Juvêncio da Fonseca (PMDB-MS), Tebet partiu em missão oficial, no fim da semana passado, rumo a Praga, capital da República Checa, e a Paris.Em Paris, um único compromisso: reunião nesta quinta-feira com o presidente do Senado, Christian Poncelet. A comitiva, integrada pelo chefe do cerimonial do Senado, Luiz Umberto Aspesi, e o embaixador do Itamaraty José Carlos de Souza Gomes. Depois do curto périplo pelas capitais checa e francesa, os senadores retornam este fim de semana ao Brasil.Levantamento no Sistema Integrado de Acompanhamento Financeiro (Siafi) aponta a liberação de R$ 9,9 mil em diárias para cada um dos três senadores e o chefe do cerimonial.O senador Saturnino Braga (PSB-RJ) é outro que aproveitou a Semana Santa para fazer uma viagem oficial. Foi para Grécia, em uma visita ao parlamento da República Helênica que começou no fim de semana passado e se estende até este sábado. Os gastos com diárias foram mais comedidos: Saturnino recebeu um total de R$ 4.950,00.Mas a baixa presença de parlamentares no Congresso não ocorre apenas às vésperas de um feriado. Na semana passada, a Câmara não conseguiu concluir a votação em segundo turno da emenda constitucional que prorroga da CPMF até 31 de dezembro de 2004 por falta de quorum. Mais de cem deputados estavam ausentes do plenário da Câmara, impedindo a votação de destaques à emenda.Na tentativa de obrigar os deputados a permanecerem em Brasília, o presidente da Câmara, deputado Aécio Neves (PSDB-MG) reuniu-se hoje com os líderes de todos os partidos para definir medidas de punição aos faltosos. A Câmara pretende, a partir da próxima semana, fazer sessões deliberativas, ou seja, com votação, às terças, quartas e quintas-feiras até o final de junho.A idéia é descontar o salário dos ausentes às votações. "Se tivermos dificuldade de quorum sem justificativa, até esta medida de descontar salário estou disposto a tomar", afirmou Aécio Neves.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.