Parlamentares defendem que caso seja apurado

Interceptações da PF revelaram ligação entre Tuma Jr. e suposto chefe da máfia chinesa

Ana Paula Scinocca, O Estado de S. Paulo

06 Maio 2010 | 00h01

BRASÍLIA - Senadores defenderam na quarta-feira, 5, que a ligação do secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, com Li Kwok Kwen, também conhecido como Paulo Li, e apontado como um dos chefes da máfia chinesa em São Paulo, seja amplamente investigada. O Estado noticiou que a relação de Tuma Júnior com Paulo Li foi mapeada ao longo de seis meses da investigação que deu origem à Operação Wei Jin, deflagrada em setembro do ano passado.

 

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), defendeu a apuração. "Tudo tem de ser investigado desde que seja observado o princípio de defesa", disse.

 

Futuro líder do PSDB na Casa - ele deve assumir a liderança ainda este mês -, o senador Álvaro Dias (PR) também cobrou investigação. "Desta vez eu concordo com o presidente Lula que tem de investigar", anotou. "Trata-se de um alto funcionário do governo e, neste caso, a exigência de investigação é ainda maior", prosseguiu.

Confiança. Pai do secretário, o senador Romeu Tuma (PTB-SP) passou o dia ontem evitando comentar o envolvimento do filho.

 

Depois, ao ser questionado pela reportagem do Estado, o senador disse que tem confiança no filho, a quem classificou como uma pessoa digna.

Por telefone, Romeu Tuma disse ainda que o filho vai falar sobre o assunto. "Ele está pronto para dar esclarecimentos às autoridades competentes", disse. Em seguida, encerrou a conversa com a reportagem, dizendo que o resto era com o próprio filho mesmo.

Mais conteúdo sobre:
Tuma Junior Paulo Li PF

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.