Parlamentares da oposição são mais influentes no Congresso

Nenhum parlamentar do PMDB figurou na lista dos 10 parlamentares mais influentes do Congresso, segundo pesquisa do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).Para o líder do partido, Geddel Vieira Lima (BA), trata-se, certamente, de um reflexo da divisão existente no PMDB. ?Isso faz com que não tenhamos uma posição uniforme e pouca influência nas votações na Câmara?, disse.As pesquisas são feitas desde 1996 ? exceto em 1998. Ficou constatado ainda que o Senado pós-Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) perdeu muita força.Perda de influênciaAo contrário dos anos anteriores, em que o Senado praticamente dividia com a Câmara o número de ?cabeças? do Congresso, desta vez apenas o senador Jefferson Peres (PDT-AM) entrou na lista dos 10 mais influentes.Verificou-se ainda que a decisão do presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), de votar um ?pacote ético?, deu grande resultado. Ele foi considerado por seus pares o número 1 entre os ?cabeças?.Dos 10 mais influentes, cinco são paulistas: José Genoíno (PT-SP), Arnaldo Madeira (PSDB-SP), Delfim Netto (PPB-SP), Aloizio Mercadante (PT-SP) e José Dirceu (PT-SP). Os outros são: Aécio Neves, Inocêncio Oliveira (PFL-PE), Walter Pinheiro (PT-BA), Jefferson Peres e Miro Teixeira (PDT-RJ).Maioria é da oposiçãoDos mais influentes, seis são de partidos de oposição, e quatro, da base parlamentar do governo. A pesquisa do Diap é feita em duas etapas. Primeiro, a maioria dos 594 parlamentares (513 deputados e 81 senadores) elege os 100 cabeças.Depois, estes 100 são procurados para escolher os que consideram ser os 10 mais influentes. Logo depois dos 10 primeiros, de acordo com o Diap, aparecem os nomes dos senadores José Eduardo Dutra (PT-SE), Pedro Simon (PMDB-RS) e Jorge Bornhausen (PFL-SC).Em seguida, o deputado Geddel Vieira Lima, o senador José Sarney (PMDB-AP), o deputado Jutahy Junior (PSDB-BA), o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) e os deputados Michel Temer (PMDB-SP), Arthur Virgílio (PSDB-AM), que hoje assume o cargo de ministro-chefe da Secretaria-Geral do Palácio do Planalto, e Sérgio Miranda (PC do B-MG).ExplicaçãoA direção do Diap tem uma explicação para o maior número de parlamentares de oposição entre os 10 mais influentes. Lembra que, na pesquisa, responderam 11 senadores dos 26 que constam da lista dos 100 principais e 40 deputados dos 74 ?cabeças?.Entre os que responderam estão 19 dos 54 parlamentares governistas, 25 dos 38 de oposição e 7 dos 8 considerados independentes em relação ao governo (PL e PPS). Diz ainda o Diap que, caso houvesse mais respostas de governistas, o resultado poderia sofrer pequenas alterações.Poucas alteraçõesAlguns aliados do governo poderiam passar do segundo para o primeiro grupo dos mais influentes. Numa análise a respeito dos 20 ?cabeças?, conclui-se que os aliados do governo contam com 11 influentes; a oposição, 9.Comparada com os resultados das consultas anteriores, a pesquisa atual mostra que o comando dos influentes sofreu poucas variações nos últimos cinco anos.Os deputados Inocêncio Oliveira, Miro Teixeira e José Genoíno estiveram presentes nas cinco pesquisas; Michel Temer e o ex-senador Antonio Carlos Magalhães estiveram nas últimas quatro; Delfim Netto esteve nas três primeiras, saiu no ano passado e voltou agora.Quem são elesEstes são os 10 parlamentares considerados os mais influentes do Congresso: 1) Aécio Neves (PSDB-MG) ? Presidente da Câmara. De acordo com o Diap, mostrou-se um exímio negociador durante o período em que foi líder do PSDB. Na presidência da Câmara, tem cumprido os acordos feitos com a oposição. 2) Inocêncio Oliveira (PFL-PE) ? Líder do PFL. Está no sétimo mandato. Ocupa sempre um cargo importante, seja na direção da Câmara, seja na do partido. No início do ano, disputou a perdeu a presidência da Câmara para Aécio. Brigou com o governo, mas já fez as pazes. 3) José Genoíno (PT-SP) ? Está no quinto mandato. Foi líder do PT por duas vezes. Evoluiu de um discurso contestador para outro, propositivo, de análise das grandes questões nacionais. Será candidato do PT a governador de São Paulo. 4) Arnaldo Madeira (PSDB-SP) ? Líder do governo na Câmara. É considerado um dos poucos parlamentares totalmente dono do cargo que ocupa. É o principal operador político do governo na Câmara. Para o Diap, é um negociador hábil. 5) Delfim Netto (PPB-SP) ? Está no quarto mandato. Foi ministros de três pastas diferentes durante o governo militar. Pela desenvoltura com que anda no Congresso, seja entre governistas ou oposicionistas, seu passado não o perturba. 6) Walter Pinheiro (PT-BA) ? Líder do PT. É considerado um dos parlamentares mais estudiosos dos temas nos quais se envolve em debates. Também é tido como negociador habilidoso, embora ainda milite nas tendências de esquerda mais radicais do PT. 7) Jefferson Peres (PDT-AM) ? Único senador entre os 10 cabeças do Congresso. Está no primeiro mandato. Tem formação jurídica capaz de lhe dar lastro para defender teses relacionadas principalmente com o rigor da ética. Foi eleito pelo PSDB, mas deixou o governo por dele discordar. 8) Miro Teixeira (PDT-RJ) ? Líder do PDT. Está no sétimo mandato. Desde que o Diap começou a fazer a pesquisa, integra o núcleo dos pensadores da Câmara e do Congresso. É ativo nos trabalhos de plenário e atuante nos bastidores. 9) Aloizio Mercadante (PT-SP) ? Economista, utiliza seu conhecimento da área para travar longos debates com os representantes do governo e com a equipe econômica. Exerceu o cargo de líder do PT e mostrou que também pode ser um hábil negociador. 10) José Dirceu (PT-SP) ? Está no segundo mandato de deputado. Foi reconduzido à presidência do PT recentemente, partido no qual exerceu todos os cargos de direção partidária. Foi um autores do requerimento da CPI que derrubou Fernando Collor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.