Parlamentares adiam reunião com Gurgel sobre CPI do Cachoeira

Parecer dos deputados e senadores vai atacar pontos que deverão ser ignorados pelo relator

Rosa Costa, O Estado de S. Paulo

13 de novembro de 2012 | 18h54

BRASÍLIA - Em uma mudança de estratégia, parlamentares da CPI do Cachoeira decidiram adiar para a semana que vem reunião com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Nessa nova data, levarão o voto a ser apresentado ao parecer do relator da comissão, deputado Odair Cunha (PT-MG), e não mais um parecer avulso que pretendiam entregar na próxima quarta-feira, 14. Eles entendem que surtirá mais efeito a entrega de um documento ao Ministério Público Federal (MPF) apontando as brechas do parecer oficial da CPMI, em vez de se manifestarem individualmente.

Chamado de "parecer anti-pizza", o parecer de deputados e senadores vai atacar pontos que deverão ser ignorados pelo relator, como o pedido de indiciamento do dono da Delta, Fernando Cavendish; e da quebra do sigilo bancário e fiscal da empresa. É esperado do relatório oficial apenas o pedido de indiciamento do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB).

Os parlamentares da oposição querem também o indiciamento do prefeito de Palmas, Raul Filho (PT), sobre o qual consideram que há provas consistentes de envolvimento com o contraventor Carlinhos Cachoeira. Desejam, ainda, que sejam aprofundadas as investigações contra os governadores do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT); do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB) e de Tocantins, Siqueira Campos (PSDB).

"Estamos salvando a investigação", sintetiza o líder do PSOL, senador Randolfe Rodrigues (AP). O senador lembra que permanece em sigilo o destino de milhões de reais repassados pelas 12 empresas, tidas como laranjas da Delta. "Nosso objetivo é o de impedir que a CPMI se transforme na maior vergonha do Congresso", acrescenta.

O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) atribui sobretudo à situação da Delta o "breque" imposto por parlamentares governistas à investigação da comissão. "É evidente que as empresas laranjas ajudaram na campanha de 2010", afirma. A Delta é a maior beneficiada por recursos do PAC, tendo recebido da União mais de R$ 3 bilhões desde o início do programa. "Fizemos um trabalho, só que em vez de avançar, o relator pisou no freio", critica. Ele lembra que a obstrução dos trabalhos começou em setembro, a título de poupar os parlamentares para fazerem campanha eleitoral e que desde então, o trabalho não avançou. A oposição foi derrotada na tentativa de prorrogar os trabalhos por mais 180 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.