Parlamentar cubano chama de "farsa" a eleição de Bush

O presidente do Parlamento de Cuba, Ricardo Alarcón de Quesada, ironizou a confusão nas eleições presidenciais de 2000 nos Estados Unidos e chamou seu sistema partidário de "republicrata", o que significaria a existência de partido único. Definiu os problemas com as cédulas eleitorais na Flórida, os erros na confecção de cédulas, a tumultuada apuração e o desfecho do episódio como "o maior escândalo eleitoral da história política dos Estados Unidos".As declarações foram feitas neste domingo durante o Fórum Social Mundial (FSM), na capital gaúcha. Ele foi um dos conferencistas do eixo "Poder Político e ética na nova sociedade", na conferência que tratou do subtema "Qual o futuro dos Estados-Nações". Cuba é acusada de não ser um país democrático, mas Quesada partiu para a ofensiva. Acha que o pleito vencido pelo republicano George W. Bush foi "uma farsa" e fez o país mergulhar em "um vergonhoso lodaçal". Entende que a razão mandava, diante das suspeitas e dos equívocos acontecidos, que houvesse nova eleição na Flórida. Estranhou a aceitação do epílogo pelo próprio Partido Democrata. Supõe que "a grande plutocracia" que "governa de fato" orientou "a hierarquia das duas facções".Sua interpretação é de que está ocorrendo uma "decadência da democracia representativa" do país que, a seu ver, sempre foi fictícia. "É uma visita às urnas de quatro em quatro anos", resumiu. Atacou a "fabricação do consenso" operada, segundo ele, pelo governo, as corporações e a mídia norte-americana. "Em seus laboratórios, os cientistas da CIA, antes mesmo da ovelha Dolly, já sonhavam com a clonagem mental", desafiou. Denunciou que todo mundo sabe do Muro de Berlim, mas muito pouco do muro norte-americano que separa os EUA do México, e das mortes que lá ocorrem. "Apenas entre 1994 e 1999, somente na Califórnia, 750 pessoas foram mortas", afirmou. Previu que, no futuro, haverá um socialismo multifacetado, menos dogmático, diferente em cada país. Foi aplaudido aos gritos de "Cuba, Cuba".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.