Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Parentes de presos reclamam de 'regalias' concedidas a Garotinho em Bangu

Mulher do ex-governador, Rosinha, conseguiu autorização para visitá-lo nesta sexta-feira

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2016 | 13h59

RIO - Familiares de presos que aguardavam a visitação no presídio em Bangu, zona oeste do Rio, nesta sexta-feira, 18, se queixaram do que disseram ser "regalias" para a ex-governadora Rosinha Garotinho, que conseguiu visitar o marido Anthony Garotinho (PR-RJ), detido no complexo.

Lucineia Santos, de 56 anos, disse que há seis meses espera a carteirinha da Secretaria  de Administração Penitenciária  para visitar o filho adotivo. "É uma diferença enorme entre a gente e a mulher do Garotinho, que chegou e entrou. Meu filho, que também está doente, cheio de ferida no corpo, não consigo visitar. Hoje, talvez consiga por que contratei um advogado, mesmo não tendo dinheiro, que está tentando resolver as coisas para mim lá dentro", afirmou a técnica de enfermagem.

O ex-governador do Rio foi preso na quarta-feira, 16, por ordem do juiz eleitoral Glaucenir Silva de Oliveira, da 100ª Zona Eleitoral de Campos. Após passar mal, seguiu para o Hospital Municipal Souza Aguiar mas teve sua transferência para o Hospital Hamilton Agostinho Vieira de Castro, no Complexo Gericinó, em Bangu autorizadaapós o juiz receber informações sobre "diversas regalias no Hospital Souza Aguiar, onde se encontra internado sob suspeita de doença ainda sequer identificada".

A mãe de um detento, que não quis se identificar, disse que a espera para entrar no presídio leva quase que um dia inteiro. "A gente chega aqui às 5h30, que é a hora que eles começam a distribuir a senha. Às 7h30, botam a gente no local de espera. Só conseguimos entrar lá para o meio dia", afirmou.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária informou que, como para qualquer outro interno do sistema penitenciário, é possível que seja autorizada uma visita extraordinária. Esse pedido deve ser feito pela família do preso à direção da SEAP. No caso de Garotinho, foi autorizada a visita de Rosinha para a entrega de medicamentos, e a de um médico particular. Garotinho está internado no Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho Vieira de Castro e está sendo acompanhado por cardiologista da própria SEAP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.