Parente recebe título de cidadão honorário de Brasília

O ministro chefe da Casa Civil, Pedro Parente, emocionou-se hoje ao receber da Assembléia Legislativa do Distrito Federal o título de cidadão honorário de Brasília. O ministro chorou quando três de seus quatro filhos subiram à tribuna do plenário. Rafael Parente, o mais velho, disse que apesar de o pai ser um homem público e uma pessoa muito atarefada, nunca deixou de dar atenção à família. Falando em nome dos irmãos, Rafael disse que admirava e amava muito o pai. Vários deputados distritais discursaram na sessão solene em homenagem ao ministro. Parente contou sua história desde que chegou à Brasília, ainda criança, e recordou-se das escolas públicas pelas quais passou. Lembrou a época de colégio, no Setor Oeste e no Cien, quando, em plena ditadura, os estudantes eram obrigados a optar se integravam o grupo dos alienados, dos reacionários ou dos comunistas. O ministro relatou que, no início, por não entender muito da vida qualificou-se como alienado. "Depois tive de optar pelo grupo dos reacionários, porque na minha casa comunista era palavrão", disse. Parente lembrou-se da época de universidade, do período em que trabalhou no Banco do Brasil e da carreira no Banco Central. O ministro de Minas e Energia, José Jorge, também esteve presente à solenidade. Na homenagem, Jorge ressaltou o desempenho de Parente na condução dos trabalhos da Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (GCE).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.