Parecer jurídico sobre caças fica pronto na segunda

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse hoje, ao participar da cerimônia de posse da diretoria do Hospital das Forças Armadas, em Brasília, que espera receber na próxima segunda-feira o parecer da consultoria jurídica da sua pasta, que examina o procedimento da compra de 36 caças para a Força Aérea Brasileira (FAB). Segundo Jobim, de posse desse parecer jurídico, vai trabalhar na preparação de uma exposição de motivos, que será encaminhada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva com a sugestão de um dos modelos.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

26 de março de 2010 | 15h23

Três modelos disputam a preferência do governo brasileiro: O sueco Gripen, o francês Rafale e o norte-americano F-18 Super Hornet. A preferência do governo brasileiro, já anunciada tanto por Jobim, quanto pelo próprio presidente Lula, é pelo modelo francês, em decorrência da parceria estratégica estabelecida com aquele país, em setembro do ano passado.

A exposição de motivos será encaminhada ao Planalto, segundo Jobim, depois da Semana Santa. "As coisas só poderão acontecer depois da Páscoa, declarou Jobim, acrescentando que a definição da data da reunião do Conselho de Defesa, para tratar do assunto, será do presidente.

Jobim desautorizou o secretário de Assuntos Estratégicos, Samuel Pinheiro, que, em entrevista à revista francesa Defense, deu como certa a compra do caça francês pelo Brasil. "Ele pode dizer o que ele quiser, mas quem decide somos nós", afirmou o ministro.

Amanhã, Jobim percorrerá duas cidades do Amazonas, São Gabriel da Cachoeira e Vila Ipiranga, ao lado do rei da Suécia, Carlos Gustav e a rainha Silvia. Na oportunidade, o rei sueco deve dar continuidade ao lobby em favor do caça sueco Gripen. Mas Jobim disse que o processo de discussão está encerrado, sem possibilidade de recebimento de novas propostas.

Tudo o que sabemos sobre:
caçasDefesaNelson Jobim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.