Parceria se repete em 58 cidades de São Paulo

As parcerias entre PT e PSDB acontecerão em pelo menos 58 cidades de São Paulo, Estado onde os dois partidos têm grande rivalidade e começam a polarizar a disputa pela prefeitura da capital, com Marta Suplicy (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB). Os diretórios regionais dos dois partidos recomendaram a seus filiados que evitassem as parcerias com os adversários na formação de chapas para as prefeituras. Mas seus dirigentes admitem que em diversos casos as circunstâncias políticas da cidade tornaram inevitável a coligação."Nós procuramos evitar esses acordos. Inclusive, vetamos casos em que o PSDB poderia dar o vice em chapas encabeçadas pelo PT. Mas aconteceram, realmente, algumas situações onde os dois partidos estarão participando da mesma aliança", reconhece o deputado Duarte Nogueira (PSDB-SP), vice-presidente estadual do partido. Para o deputado, a realidade das disputas locais hoje está bastante dissociada do quadro nacional. Por isso, ele avalia que não haverá seqüelas políticas para a imagem dos dois partidos por causa de alianças nas campanhas municipais."São duas situações bem distintas. A eleição municipal trata muito mais de temas de interesse local, como a transporte coletivo, habitação popular, segurança. Dificilmente na campanha da maioria dessas cidades vai entrar em debate a política econômica do governo federal", afirma Duarte Nogueira. "Estou mais do que convencido de que PSDB e PT, que hoje praticamente polarizam a disputa nacional pela simpatia do eleitorado, vão dar o tom da campanha presidencial em 2010. E isso vai acontecer sem prejuízo que no âmbito regional haja alianças pontuais entre os dois por conta de realidades locais", completa o deputado.No caso de São Paulo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já registrou parcerias entre PSDB e PT em 58 dos 645 municípios onde haverá eleição em outubro. São cidades como Bragança Paulista, Sertãozinho, Águas de Lindóia, Aparecida, Altinópolis, Bady Bassit, Brejo Alegre, Cabrália Paulista, Cajobi, Coroados, Dois Córregos, Dumont, Flórida Paulista, Gabriel Monteiro, General Salgado, Getulina, Guapiara, Guará, Guaraçaí, Ilha Solteira, Irapuã, Itápolis, Itirapuã, Jaci, José Bonifácio, Lorena, Lagoinha, Macatuba, Mira Estrela, Monte Aprazível, Monte Azul Paulista, Nipoã, Nova Campina, Nova Guataporanga, Paraíso, Piacatu, Pirapozinho, Ponta Linda, Populina, Quintana, Ribeirão Bonito, Santo Antônio da Posse, São João das Duas Pontes, Tambaú e União Paulista.CONEXÃOO deputado Antônio Carlos Pannunzio (PSDB-SP) diz compreender as realidades políticas de cada cidade, mas preferia que houvesse uma convergência total entre as posições adotadas nacionalmente pelos partidos, a ponto de se reproduzirem em cada cidade brasileira."É natural que as lideranças municipais estejam preocupadas com suas eleições. Ainda vai levar um tempo para haver uma conexão entre todas as campanhas e se poder ter uma plena estratégia nacional adotada pelos partidos. Porque aí até já estaríamos construindo um encaminhamento para o enfrentamento que haverá em 2010", afirma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.