Paraná vai implantar caderno digital

Com o objetivo de democratizar o conhecimento para os alunos do ensino médio e levá-los a ter acesso à internet, o governo do Paraná lança em agosto o Projeto Caderno Digital, com a entrega de microcomputadores, que servirão como ferramenta para o estudo, para a primeira turma no Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba. No projeto-piloto, 40 alunos do 1º ano do 2º graus serão beneficiados. A intenção é que, a partir do próximo ano, a conexão à internet passe a ser feita por meio da rede elétrica, em projeto desenvolvido pela Companhia Paranaense de Energia (Copel). Por enquanto, os alunos terão fibra óptica na escola. Segundo o secretário de Estado da Ciência e Tecnologia, Ramiro Wahrhaftig, os objetivos do projeto são a inserção do professor na era do aprendizado constante, a utilização do caderno digital como ferramenta para a disseminação de conhecimentos, o aprimoramento do aprendizado do aluno e a potencialização de sua capacidade para a pesquisa. "Ele também será um multiplicador do conhecimento adquirido das novas tecnologias para a família", disse Wahrhaftig aos participantes do Instituto de Inverno, evento organizado pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e prefeitura de Curitiba para analisar experiências inovadoras na área de educação. O treinamento de professores e a construção do equipamento vêm sendo feitos desde fevereiro. Fabricado pela empresa TWT Embedded Solutions, de Curitiba, a expectativa da secretaria é que chegue a custar cerca de US$ 350 na sua versão final. Eles serão entregues aos alunos que poderão acessá-los tanto na escola quanto em casa. Ao final do período, o estudante devolve o microcomputador, que será repassado para outros alunos. A durabilidade deve chegar a 8 anos. O coordenador do projeto, Alessandro de Oliveira Binhara, disse que o microcomputador carrega a qualidade do desktop e a portabilidade do laptop. Para diminuir os custos, o teclado e o mouse são do desktop, que podem ficar fixos tanto em casa quanto na escola. O aparelho portátil possui o vídeo e o CPU. Ele vem embalado em uma mochila escolar, para não chamar muito a atenção. O consumo de apenas 20 watts de energia não exige readequações nas instalações elétricas, enquanto a ausência de peças móveis diminui a necessidade de manutenção. O programa pedagógico foi preparado por uma equipe de professores, com ênfase sobretudo na interatividade. Com vistas à universalização do conhecimento, o ambiente de trabalho é o do Linux. Os software ainda estarão em teste este ano para que possam se estender posteriormente para outras escolas do Estado. "O que caracteriza a sociedade do conhecimento é o aparato que ela possui para disseminar a informação e a tecnologia com qualidade", definiu o secretário. Juntamente com este projeto-piloto, o governo deverá colocar em funcionamento o Portal Caderno Digital.

Agencia Estado,

18 Julho 2002 | 17h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.