Paraná quer limitar "estrangeiros" nas universidades

Um projeto de lei deverá estabelecer uma cota mínima de vagas nas universidades estaduais paranaenses para estudantes que concluíram os últimos dois anos de ensino médio no Estado. O documento está sendo finalizado e pode ser entregue aos deputados estaduais na próxima segunda-feira, quando o governador Jaime Lerner (PFL) participará da sessão especial de abertura do ano legislativo. O projeto também prevê repasse de parte da receita de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para as universidades. "Estamos propondo um avanço significativo na relação do Estado com as instituições, que vão ganhar autonomia financeira", disse o secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Ramiro Wahrhaftig. A expectativa é que, com esse anúncio, seja encerrado o movimento grevista de professores e funcionários que já dura cinco meses em três das seis universidades estaduais. A proposta do governo é limitar em 20% o número de estudantes vindos de outros Estados para cursar as universidades estaduais. "Este é um fato positivo, que privilegia o contribuinte paranaense", afirmou Wahrhaftig. Estimativas do governo apontam que atualmente alguns cursos têm até cerca de 40% de vagas ocupadas por alunos de fora do Estado. "Não podemos privilegiar alunos de outros Estados com recursos dos contribuintes paranaenses", argumentou. Segundo a secretaria, o investimento anual por aluno universitário no Estado é de R$ 5.600, devendo ser aplicados R$ 352 milhões este ano. Nas seis universidades estaduais estão matriculados pouco mais de 61 mil alunos. A forma de limitar o acesso dos estudantes deverá ser detalhada pelas universidades na época do vestibular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.