Paraná aplicará multa máxima à Petrobrás

O governador do Paraná, Jaime Lerner (PFL), disse que o Estado aplicará a multa máxima de R$ 50 milhões à Petrobras, em razão do vazamento de cerca de 50 mil litros de óleo diesel, ocorrido na sexta-feira. Além disso, a empresa sofrerá pena adicional por ser reincidente. Os técnicos do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) estão reunidos e podem anunciar a multa ainda hoje. Lerner visitou o local onde aconteceu o vazamento, no quilômetro 32 da BR-277, início da Serra do Mar. "Estou desolado com o que vi, porque trata-se de um desastre ambiental igual ou talvez até maior que aquele que tivemos no Rio Iguaçu", disse o governador. "Trata-se de um trecho contínuo de Mata Atlântica mais bem preservada do País, aquele trecho que a própria Unesco definiu como reserva da biosfera." O diretor de Dutos e Terminais da Transpetro, empresa subsidiária da Petrobrás, Wong Loon, repetiu que o volume vazado foi subestimado inicialmente, quando a empresa referiu-se a 1,2 mil litros. Apesar de ainda não ter um laudo definitivo, ele afirmou que o poliduto, que fica a cerca de três metros de profundidade, rompeu-se por tração, provocada aparentemente por movimentação do solo. O governo pediu abertura de inquérito na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente para saber a que horas ocorreu o rompimento do duto e suas causas. "Houve demora e ocultação de fatos importantes, por isso é necessário que os responsáveis respondam por este acidente", disse Lerner. A secretaria acredita que o vazamento ocorreu bem antes das 11h15, conforme diz a empresa. Entidades ambientalistas não governamentais também denunciam que a empresa sabia desde o início que tinham vazado bem mais que os 1,2 mil litros divulgados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.