Paralisação da PF foi precipitada, diz ministro Paulo Bernardo

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse considerar precipitada a greve de 24 horas da Polícia Federal. Em rápida entrevista no Palácio do Planalto, ele ressaltou que o governo está aberto a negociar com os agentes. "É preciso que haja um diálogo, uma negociação.", afirmou.Paulo Bernardo voltou a defender a regulamentação do direito de greve do servidor público. A proposta causou polêmica no setor sindical, no início de março, por restringir esse direito a setores essenciais do serviço público. "Temos de avançar na discussão de como tornar lei o processo de negociação com os servidores e, ao mesmo tempo, regulamentar o direito que existe na Constituição", disse o ministro.A PF reivindica aumento salarial de 30%, devido ao acordo assinado em 2006 e também pela implantação da Lei Orgânica da categoria, com a qual espera reduzir a diferença de remuneração com os servidores dos outros órgãos do sistema criminal da União. A greve atingiu 24 Estados e o Distrito Federal, não participando apenas Alagoas e Santa Catarina. Os serviços básicos continuaram funcionando e a operação-padrão nos aeroportos foi cancelada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.