Paraguai usará urnas brasileiras pela 2ª vez

Pela segunda vez em dois anos, as urnas eletrônicas brasileiras serão utilizadas pelo Paraguai nas eleições gerais de 27 de abril. O Tribunal Superior Eleitoral vai fornecer 6 mil urnas, das quais 4.135 estarão funcionando no dia da eleição em 33 cidades, atendendo a 52% do eleitorado paraguaio. Na primeira vez, o TSE participou das eleições municipais daquele país cedendo 130 urnas para apenas seis cidades. O convênio de cooperação técnica foi assinado ontem entre o presidente em exercício do TSE, ministro Sepúlveda Pertence, e o assessor especial da Unidade para a Promoção da Democracia da Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos, Santiago Murray, na presença do presidente do Tribunal Superior de Justiça Eleitoral do Paraguai, Alberto Ramirez Zambonini, e dos ministros Nelson Jobim, Fernando Neves e Gerardo Grossi.Para o ministro Sepúlveda Pertence, é honroso e gratificante poder colocar à disposição do país vizinho toda a tecnologia do sistema eletrônico de votação que servirá para o desenvolvimento do regime eleitoral do Paraguai e para a consolidação da democracia na América Latina. O TSE assinou em julho do ano passado um convênio de cooperação com a OEA para executar projetos de automação do voto nas justiças eleitorais dos países membros da Organização. Conforme o convênio assinado ontem, além de fornecer as urnas eletrônicas, o TSE disponibilizará técnicos para capacitação dos funcionários da Justiça Eleitoral paraguaia e assistência técnica durante o processo eleitoral. Participaram da cerimônia, realizada no gabinete do presidente do TSE, o vice-presidente e o diretor de administração do Tribunal Superior de Justiça Eleitoral do Paraguai, respectivamente, Juan Manuel Morales e Carlos Alberto Quiñónez; o diretor-geral do TSE, Miguel Augusto Fonseca de Campos; o secretário de informática, Paulo César Camarão; e o chefe de gabinete, Roberto Baptista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.