Paraguai insiste em dispor livremente de energia de Itaipu

O Paraguai reafirmou ao Brasil, sócio na hidrelétrica de Itaipu, o pedido de receber livremente sua fatia da energia gerada para poder vendê-la a outros países, disse na terça-feira um dos negociadores paraguaios envolvidos no processo. Paraguai e Brasil iniciaram meses atrás um complexo processo de renegociação sobre a hidrelétrica que ambos dividem no rio Paraná e que gera cerca de 90 milhões de megawatts por ano. O coordenador do grupo paraguaio de negociação, Ricardo Canese, disse a uma rádio do Paraguai que a solicitação "sobre a livre disponibilidade de energia é o ponto mais difícil" das conversações, mas que seu país o defenderá com firmeza. Comissões técnicas do Brasil e do Paraguai se reuniram até altas horas da noite na segunda-feira para tratar das demandas paraguaias, entre as quais uma elevação do preço da energia vendida aos brasileiros e a revisão da dívida sobre a construção de Itaipu, uma das maiores hidrelétricas do mundo. O tratado de criação da usina determina que cada país é dono de metade da energia gerada e que deve vender o excedente a seu sócio, a um preço estabelecido por um acordo vigente até 2023. O Paraguai deseja rever esse preço porque o valor estaria abaixo da média do mercado. "Sem dúvida, no tema da livre disponibilidade de nossa energia, algo que diz respeito a nossa soberania e que é um tema fundamental, há um ponto de divergência", afirmou Canese. "Essa é a questão mais complicada e ficou decidido que o Paraguai apresentará uma proposta completa, abarcando ainda o aspecto jurídico e a solução que estamos sugerindo," acrescentou. O funcionário observou que a reunião, realizada na própria Itaipu (localizada 350 quilômetros a leste de Assunção), transcorreu dentro de um clima de "muita compreensão na postura da contraparte", mas que houve "momentos muito tensos" porque o Paraguai mostrou-se firme na defesa de seus interesses. A delegação brasileira foi comandada pelo secretário-executivo do ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, e a paraguaia pelo vice-ministro das Relações Exteriores, Jorge Lara Castro, . "Quanto ao preço justo e à dívida, apresentamos propostas e o Brasil deve fazer uma contraproposta", afirmou Canese, acrescentando que outros pontos discutidos, tais como a administração conjunta e a conclusão de obras, estão "praticamente resolvidos", Os negociadores se encontrarão novamente no fim de novembro, em uma reunião que contará com a presença dos ministros das áreas de energia dos dois países. Itaipu gera cerca de 20 por cento da energia total consumida pelo Brasil, o qual utiliza quase 90 por cento da produção da usina. (Reportagem de Mariel Cristaldo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.