Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Para vice-presidente nacional do PSDB, afastamentos de Cunha e Dilma serão benéficos para o País

Alberto Goldman avalia que o presidente da Câmara perdeu condições mínimas de credibilidade e diz ter certeza de que Dilma também cairá

Ana Fernandes, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2015 | 20h49

Vice-presidente nacional do PSDB, o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman considera positivo o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do cargo de deputado federal. "Será benéfico para o País, ele (Cunha) sem dúvidas perdeu condições minimamente de ter qualquer credibilidade", disse Goldman ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. "Dois afastamentos são benéficos para o País, o do Cunha primeiro e o da Dilma depois", completou.

Goldman rechaçou o argumento de Cunha de que está sendo perseguido pelo Planalto. "O fato concreto é que ele está sendo perseguido é pelo passado dele", ironizou.

O dirigente tucano afirmou que já há tempos tem certeza que Cunha cairá e que Dilma também. "Não tenho mais dúvida do desfecho nos dois casos. A questão do impeachment é inexorável, assim como Cunha. Há algumas semanas disse que Cunha é 'carne morta' e no caso da Dilma é semelhante, é questão de tempo", afirmou.

Sobre a mobilização pró-impeachment no último domingo,13, Goldman disse que "passeata é coisa do passado" e que a economia "passará o atestado de óbito" do governo Dilma. "Rua não é só asfalto, é povo e o sentimento do povo a gente sabe qual é."

Constrangimento. Goldman admitiu que o PSDB sofre um constrangimento por ter se aliado com Cunha meses atrás, em estratégias para ver aprovado o pedido de impeachment contra Dilma. "Alguns líderes nossos pecaram, mas já se redimiram", afirmou.

Segundo o tucano, talvez alguns membros do partido "não tivessem clareza" das suspeitas que recaem sobre o peemedebista. "Foi inconveniente esse tipo de associação que fizemos, mas aqueles que fizeram já reconheceram que foi um desvio", concluiu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.