AE
AE

Para tucano, crise não barra CPI da Petrobras antes do recesso

Dias pede que governistas 'honrem palavra' e oposição não pode contribuir para 'alimentar crise no Senado'

Andréia Sadi, do estadao.com.br,

30 de junho de 2009 | 13h49

Apesar da crise que atinge o Senado, o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) acredita que existe espaço para a instalação da CPI da Petrobrás nesta terça-feira, conforme acordo entre líderes, e antes do começo do recesso parlamentar, no dia 18. Ao estadao.com.br, o autor da criação da CPI afirma que a "oposição não pode fazer este jogo e contribuir para alimentar a crise no Senado enquanto a crise maior está no outro lado".

 

Veja Também:

especial ESPECIAL: O que será apurado na CPI e a cronologia do caso 

 

"Temos uma expectativa hoje né, e eu vou pedir ao partido, na reunião desta terça-feira, que faça um empenho no sentido que a CPI seja instalada. Não podemos continuar mordendo a isca de alimentar a crise no Senado todos os dias e esquecer o que é essencial porque em relação a crise as providencias estão em curso", disse.

 

Dias pede que a palavra empenhada pelos líderes do governo- que firmaram acordo com a oposição para a instalação nesta terça- seja "honrada". "É preciso respeitar as pessoas dentro do Congresso, senão nós vamos partir para um vale-tudo aqui dentro do Congresso, como disse o presidente da Petrobras", lembrou.

 

O senador se refere à entrevista de Sérgio Gabrielli ao Estado. Em um trecho, ele disse que, na falta de fatos determinados para investigar, senadores estariam apelando para "fatos artificiais" armados em combinação com a imprensa, ou a "coscuvilhices" (mexericos). A seguir, fez uma ameaça velada: "Estamos preparados para um vale-tudo". E acrescentou: "O ataque também faz parte da defesa".

 

O senador voltou a dizer que apelarará a medidas judiciais caso não haja a instalação da CPI.

"Tenho dificuldade em não acreditar na palavra empenhada solenamente. Quando é solenamente,. Preciso apostar até o último momento. Se não ocorrer, aí tomarei aquelas medidas que eu já anuncie, jurídicas".

 

 

 

Mais uma vez

 

Após seguidos adiamentos, a CPI da Petrobras não deverá ser instalada nesta terça-feira, 30, como chegou a ser anunciado por parlamentares do governo. Segundo fontes da base aliada, deverá ser repetida a estratégia de não dar quórum para a sessão de abertura da CPI.

 

A diferença é que, desta vez, nem o senador Paulo Duque (PMDB-RJ), que por ser o mais velho tem a prerrogativa de presidir a abertura da sessão, deverá comparecer. A mesma fonte disse que a ideia do governo é não deixar andar nem a CPI da Petrobras e nem a do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).

 

Segundo Álvaro Dias, a CPI do DNIT já ficou para o segundo semestre para "não atrapalhar a CPI da Petrobras". "O que há é um pavor da CPI da Petrobras, isso sim".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.