Para TSE, voto secreto é antídoto a milícias e tráfico

Tribunal vai lançar campanha nacional sobre a garantia do sigilo na votação

Luciana Nunes Leal e Moacir Assunção, O Estadao de S.Paulo

12 de agosto de 2008 | 00h00

Campanha nacional sobre a garantia do sigilo do voto será lançada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em resposta às pressões de candidatos que intimidam e ameaçam eleitores para garantir a vitória. Após reunião no Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ), o presidente do TSE, Carlos Ayres Britto, disse que algumas medidas tentarão garantir a segurança da eleição na capital. Se isso não for suficiente, as Forças Armadas poderão ser chamadas a trabalhar com a Polícia Federal e polícias estaduais.Esse debate começou quando candidatos foram impedidos de visitar favelas e comunidades dominadas pelo tráfico de drogas ou por milícias. Segundo o presidente do TRE-RJ, Roberto Wider, a campanha será lançada "o mais rápido possível". "A urna eletrônica é seguríssima. É impossível saber quem votou em quem", disse Ayres Britto. "Não há como acuar, acossar, intimidar esta ou aquela comunidade com a bravata de que é possível se identificar o voto."Sobre a possibilidade de as Forças Armadas atuarem na eleição carioca, o ministro afirmou que "vai depender da evolução do processo eleitoral". "Nada está definido nem descartado", ressaltou. Qualquer atitude, disse, será discutida com o governador do Rio, Sérgio Cabral, e com no TSE. VIDA PREGRESSAO presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), criticou ontem a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) no caso dos chamados "fichas-sujas" - os candidatos que respondem a processos judiciais -, mas também não poupou o próprio Legislativo de questionamentos. "A questão da vida pregressa dos candidatos já deveria ter sido analisada pelo Legislativo. Há um projeto de regulamentação da Constituição, de autoria do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que trata do assunto, mas não foi votado em plenário, apesar de aprovado na Comissão de Constituição e Justiça", disse, durante almoço com empresários ligados à Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB), em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.