Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Para 'The Economist', FHC se reabilita e desfruta de 'influência política e intelectual'

Revista britânica diz que ex-presidente é 'líder não oficial da oposição' e que papel como pensador é 'mais importante do que nunca'

O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2015 | 14h20

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso vive o renascimento de sua reputação, na avaliação da revista britânica The Economist em reportagem divulgada pelas redes sociais da publicação nesta terça-feira, 10. Segundo a revista, no momento em que o País vive "o que pode ser sua pior crise desde a recessão de 1930", o papel do tucano como pensador é "mais importante do que nunca".

Em conversa com a publicação na sede de seu instituto em São Paulo, a propósito do lançamento do primeiro volume de Diários da Presidência e do livro A Miséria da Política - Crônicas do Lulopetismo e outros Escritos, FHC admitiu desfrutar atualmente de uma "grande influência política e intelectual", mas descartou qualquer ambição política. Ainda assim, o tucano é classificado pela reportagem como o "líder não oficial da oposição".

A revista cita ainda as investigações da Operação Lava Jato sobre o esquema de corrupção na Petrobrás. Segundo a reportagem, "enquanto a força-tarefa está cada vez mais perto de Lula, FHC é visto com respeito como um "velho estadista".  Apesar disso, a Economist diz que o PSDB não soube tirar proveito da queda de popularidade do governo Dilma Rousseff e que, para os críticos do ex-presidente, ele teria falhado em estimular uma renovação no partido. Para FHC, o ponto fundamental é que o Brasil precisaria de "um novo foco e um novo líder".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.