Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Para Temer, candidato de centro que aparecer agora 'vai ser queimado'

Ex-presidente acredita que é preciso esperar o ano que vem para verificar qual quadro se desenhará

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2021 | 22h32

BRASÍLIA - Preocupados com o cenário de radicalização na disputa presidencial para 2022, empresários do setor de varejo e consumo aproveitaram  encontro com o ex-presidente Michel Temer para questionar se não surgirá alguma alternativa de Centro, contra Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva. Temer acredita que esse nome poderá surgir ainda, mas apenas em 2022. E esse calendário evitaria que o candidato acabasse se expondo antes da hora e se queimasse com o eleitorado.

"Hoje há duas radicalizações. Mas acho que vai acabar aparecendo alguém que caminhe pelo meio. Acho que isto não é improvável. Mas não será agora. Quem aparecer agora, será queimado. Para usar uma expressão entre aspas. Acho que tem de esperar o ano que vem para verificar qual é o quadro que se desenhará. Esperar fevereiro, março do ano que vem para começar a definir candidaturas", afirmou Temer em resposta a Fernando de Castro, conselheiro do Instituto do Desenvolvimento do Varejo (IDV), durante  o evento promovido pela Gouvêa Ecosystem e que reuniu cerca de cem dos principais representantes do varejo e do consumo.

Por causa desse cenário e dessa busca por um nome de Centro, os empresários também queriam saber se o próprio Temer não estaria disposto a se tornar essa alternativa para a disputa de 2022. Mas o ex-presidente deixou claro que não pensa seriamente nessa hipótese. 

"Já fiz um pouco de tudo na vida", disse. "Eu confesso que já cumpri um papel e fico muito seduzido quando as pessoas com sua delicadeza emitem essa opinião. Que é um reconhecimento ao que nós fizemos. Mas confesso que não tenho muito essa disposição, não. E aliás só discutiria isso em 2022. Mas não tenho muita disposição não", insistiu.

Na verdade, Temer defendeu junto aos empresários que é preciso deixar que esse assunto da sucessão seja tratado apenas no próximo ano. Na sua visão, a prioridade para 2021 precisa ser o combate à pandemia. 

"Não devemos antecipar 2022 em 2021. Porque em 2021 já temos problemas suficientes. Temos de combater a pandemia e começar a recuperar a economia. Este é o projeto para 2021. 2022 tem de deixar para 2022", afirmou. 

Com sua experiência jurídica, Temer foi provocado por Flávio Rocha, da Riachuelo, sobre os frequentes conflitos entre Judiciário e Executivo e como isso poderia ser solucionado. 

"Não vejo como resolver o conflito entre o Executivo e o Judiciário, que tem se exacerbado. Alguns chamam até de ativismo judicial. O poder realmente vem do povo, o povo mudou, o povo amadureceu. E essa mudança chega de supetão no Executivo. Mas, muitas vezes, essa mudança vai durar uma geração para chegar ao Judiciário. Ao Supremo. Então, acho que a gente está assistindo aí a um choque de gerações entre a vontade do povo, que é expressa de imediato no Executivo. Que demora um pouco mais para chegar ao Legislativo, porque essa mudança é gradual, apesar da mudança significativa que houve em 2018 e confirmada em 2020. Então, como pacificar esse choque de geração expressa em visões não só conflitantes, mas às vezes antagônicas de mundo? E como impedir que isso não traga um altíssimo preço nesse momento tão crucial à gestão pública e ao povo brasileiro em última análise", questionou Flávio Rocha.

"Acho que a solução é pregar", disse Temer. "Como estamos pregando aqui, onde as amigas e os amigos são formadores de opinião. Se cada um se convencer, se cada um pregar, acho que não há outra solução", avaliou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.