Para Tarso, procurador-geral não acusa PT

O ministro de Relações Institucionais, Tarso Genro, afirmou, no Senado, que o relatório em que o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, denuncia 40 pessoas envolvidas no mensalão e no valerioduto não faz "nenhuma acusação ao PT, mas a indivíduos, que estão sendo processados." No relatório, o procurador denuncia a existência de uma "sofisticada organização criminosa" que pretendia "manter o PT no poder com a compra de suporte político de outros partidos." Ele comentou que a atitude do procurador é o início de um processo geral que inclui indivíduos que serão processados e julgados. "E quem for considerado culpado que pague pela sua culpa", declarou o ministro. O ministro observou que o procurador Antonio Fernando de Souza foi nomeado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas atua de forma independente. "Ele está cumprindo seu papel", numa referência ao fato de procuradores-gerais serem, tradicionalmente, advogados de defesa dos governos.Ao comentar as freqüentes declarações de oposicionistas a favor de abertura de um processo de impeachment do presidente Lula, Genro disse que é um direito da oposição fazer esse tipo de manifestação, mas acha que não existem razões para um pedido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.