Para Tarso, PDT ´tem porte´ para participar do 1º escalão

O ministro de Relações Institucionais, Tarso Genro, informou nesta segunda-feira que o PDT "tem porte" para participar do primeiro escalão do governo. Nesta semana, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversa com representantes do PDT e também do PP sobre a reforma ministerial. Nesta segunda, o presidente esteve reunido com o PMDB, para o qual já prometeu maior espaço no Ministério e o primeiro esboço da reforma daqui a 15 dias. Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, Tarso Genro observou que o PDT é um partido médio que conta com 20 deputados na Câmara. Anteriormente, o Palácio do Planalto havia sinalizado entregar um ministério para os partidos do chamado "bloquinho" - o PDT, PCdoB e PSB.Tarso Genro confirmou que Lula dará espaço no governo à corrente oposicionista do PMDB. "O presidente quer todos no governo. Até o fim de fevereiro a discussão sobre a nova equipe estará completa", disse.Sobre a possibilidade de a ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy integrar o governo, Tarso Genro respondeu: "todo mundo sabe que Marta Suplicy é um quadro de primeira grandeza e se estiver no governo será no primeiro escalão".O ministro evitou comentar a possibilidade de Marta ocupar a pasta da Educação, hoje nas mãos de Fernando Haddad, um ministro técnico. Segundo Tarso, não há definição sobre os ministros técnicos como Haddad, Nelson Machado(Previdência), Paulo Sérgio Porto ( Transportes), e Agenor Álvares (Saúde). "Não há definição sobre isso. O presidente tem apreço especial por eles.Tarso disse que o governo considera importante a entrada no governo do setor do PMDB que fazia "uma férrea oposição" e também do PDT, partido que não integra a base aliada. O ministro reafirmou que Lula divulgará sua nova equipe entre 15 e 20 dias. Ao comentar sobre a possibilidade de o presidente Lula escolher um peemedebista como sucessor do ministro Márcio Thomaz Bastos, Tarso Genro, apontado como um possível candidato à vaga, respondeu, sorrindo: "Por mim, não haverá problema", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.