Para Tarso, críticas de Ciro ao governo é ´fogo fraterno´

O ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, classificou nesta sexta-feira como "fogo fraterno" as críticas feitas pelo ex-ministro e deputado eleito Ciro Gomes (PPS) à política econômica e à aliança do governo federal com o PMDB, em entrevista a duas emissoras de rádio em Fortaleza ."O que o Ciro falou é fogo fraterno. O Ciro é um companheiro nessa frente política. Numa frente plural é natural (as críticas). Temos que encarar essa divergência com naturalidade", disse o ministro, após reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio da Alvorada. O ministro disse que o governo não responderá as críticas de Ciro e acrescentou que o deputado será um grande companheiro para governo. O ministro disse ainda que o presidente Lula pretende apresentar aos partidos que integrarem o governo de coalizão as medidas para garantir o crescimento. "No momento em que o presidente Lula tiver todas as medidas, vai chamar os partidos da coalizão para apresentar o programa para eles".Segundo Tarso, Lula considerou uma notícia extremamente importante politicamente o fato de que o PMDB tenha aceitado essa relação programática do governo de coalizão. "Obviamente, o maior partido da coalizão tem uma função definidora do seu caráter", destacou o ministro.Tarso disse que "o governo tem a convicção de que é necessário ter um grande partido centrista articulado nacionalmente para ter estabilidade para governar seja que tipo de governo for".O ministro informou que na próxima semana o presidente deverá ter encontro com o PDT. Na segunda-feira, irá se encontrar com dirigentes do PSB e PCdoB. Lula terá ainda encontro com o ex-ministro dos Transportes e senador eleito, Alfredo Nascimento e a bancada do Partido Republicano. Além desses encontro, Lula deverá ainda ter um encontro formal com o PMDB. Este texto foi ampliado às 14h17.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.