Para Tarso, Cristóvam faz campanha para Presidência

O ministro da Educação, Tarso Genro, afirmou que as críticas ao governo feitas pelo senador Cristóvam Buarque (PT-DF) não passam de estratégia política. "Ele procura uma polarização com o governo federal para preparar sua candidatura à Presidência", afirmou Genro.Numa palestra feita sexta-feira em um evento promovido pelo PPS e PDT no Rio de Janeiro, Cristovam afirmou que o PT no governo está caminhando para a direita, criticou programas sociais e a política econômica."Dizer que o governo Fernando Henrique é mais social ou mais à esquerda do que o governo Lula é mais uma atitude magoada do que racional", afirmou Tarso. Cristóvam, seu antecessor na pasta da Educação, foi demitido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva por telefone, em janeiro passado, durante uma viagem a Portugal.Tarso afirma que as diferenças entre os dois governos na área social e econômica "são sufocantes." Como argumento, ele cita alguns indicadores.Nos oito anos de governo de Fernando Henrique, diz, o saldo da balança comercial foi US$ 8,5 bilhões negativos, enquanto nos dois anos de governo Lula o saldo foi de US$ 55 bilhões.Nos oito anos de governo de Fernando Henrique, continua, 2,5 milhões de famílias foram beneficiadas por programas de transferência de renda. No governo Lula, esse índice passou para 5 milhões."E no governo anterior, os repasses por família eram de R$ 26, enquanto neste governo são de R$ 75", cita Tarso. "Dizer que governo Fernando Henrique é mais de esquerda é perder o rumo."Um dos alvos preferidos de Cristóvam é o Bolsa Família, um programa que ele considera equivocado. Em sua avaliação, programas como o vale-gás ou o bolsa-alimentação nunca deveriam ter sido reunidos ao bolsa-escola.Tarso, no entanto, rebate as críticas. Ele observa que o controle das contrapartidas exige alto nível de especialização. Para ele, o ideal é que o ministério concentre todos os seus esforços em atividades educacionais ou relacionadas a sua sustentabilidade, como a merenda escolar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.