Para Suplicy, decisão sobre Battisti foi adequada

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) avaliou hoje como "a mais adequada" a decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de não extraditar o italiano Cesare Battisti. Em visita ao vice-presidente José Alencar, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, Suplicy disse ter chegado à conclusão, depois de analisar com profundidade o caso, de que Battisti não cometeu os crimes pelos quais é acusado.

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

31 de dezembro de 2010 | 17h38

O senador do PT de São Paulo afirmou que ele não teve um "devido direito de defesa". Suplicy afirmou também que se dispõe a ir à Itália conversar com o primeiro-ministro Sílvio Berlusconi para tentar persuadi-lo de que a decisão de Lula foi a mais correta. "Eu, como muito amigo da Itália e tendo estudado em profundidade o caso, inúmeras vezes, cheguei à conclusão de que ele não cometeu os quatro assassinatos pelos quais foi acusado e não teve o devido direito de defesa", defendeu.

De acordo com o senador do PT, nunca um juiz nem uma autoridade policial perguntaram a Battisti se ele havia realmente cometido os crimes. "A decisão do presidente Lula de não extraditar Battisti é a mais adequada", afirmou, ressaltando que tem a convicção de que o italiano, de acordo com ele, sabe admirar os ensinamentos do físico, matemático e astrônomo Galileu Galilei e do artista plástico, cientista e escritor italiano Leonardo da Vinci. "Eu estou persuadido de que a decisão do presidente Lula foi a mais correta", acrescentou.

Alencar - Suplicy chegou ao Sírio-Libanês por volta das 16h30 carregando um pequeno presépio de madeira, comprado na Palestina. Ele disse que foi convidado pela Autoridade Palestina (AP) a assistir, na Igreja da Natividade, em Belém, à missa de Natal, onde comprou o presente para Alencar. "Eu estava viajando, estive na França, na Bélgica e na Palestina. E justamente trouxe para o José Alencar e para Mariza Silva um presépio", relatou.

O senador ressaltou que o vice-presidente é um "exemplo para todos os brasileiros" e que ele será lembrado na posse da presidente eleita Dilma Rousseff e do vice-presidente Michel Temer, amanhã (01). Após a visita, Suplicy disse que se surpreendeu com o estado de espírito de Alencar e contou que ele afirmou que o melhor remédio para ele, no momento, seria comparecer à festa da posse. O senador petista relatou ainda que o vice-presidente estava acompanhado de familiares, entre eles a mulher, filhos e netos. Suplicy disse que Alencar tinha nas mãos antigas cartas de parentes. "Ele estava recordando fatos de sua vida", descreveu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.