Para Serra, promessa feita em 2004 era apenas 'um papelzinho'

Tucano assinou documento em que prometia cumprir mandato, mas nega ter quebrado compromisso

Bruno Boghossian, do estadão.com.br

20 de março de 2012 | 07h00

Em campanha para tentar voltar à Prefeitura de São Paulo, o tucano José Serra negou que tenha quebrado um compromisso com seus eleitores ao abandonar o cargo em 2006 para disputar o governo do Estado e disse que o documento que assinou para prometer que cumpriria o mandato era "um papelzinho".

 

"Primeiro, eu não assinei nada em cartório. Isso é folclore", disse Serra em entrevista à rádio Capital, ontem. "Houve um debate, uma entrevista. O pessoal perguntou: 'Se o senhor for eleito prefeito vai sair para se candidatar à Presidência?' Eu disse que não. 'Então assina aqui.' Eu assinei um papelzinho. Não era nada... Eu estava dizendo a absoluta verdade", complementou.

 

Em setembro de 2004, quando disputava a Prefeitura, Serra assinou um documento durante sabatina do jornal Folha de S. Paulo em que se comprometia a "cumprir os quatro anos de mandato na íntegra, sem renunciar à Prefeitura para me candidatar a nenhum outro cargo eletivo".

 

Em 2006, ele interrompeu seu mandato para concorrer ao governo do Estado e foi eleito.

 

A saída de Serra da Prefeitura tem sido criticada com frequência por um de seus principais rivais na pré-campanha, o petista Fernando Haddad. O ex-governador evitava responder às provocações, mas ontem afirmou que espera "que os adversários tenham algo mais a dizer".

 

"Se forem fazer campanha só na base de que o Serra vai sair se for eleito, é muito pouca coisa para a nossa cidade", rebateu.

 

O ex-governador e seus aliados adotaram um discurso unificado para enfrentar as críticas sobre sua saída da Prefeitura. Eles afirmam que Serra precisava disputar o governo do Estado para que o PSDB não perdesse o cargo para o PT.

 

"Como o (Geraldo) Alckmin ia sair (do governo para disputar a Presidência), o pessoal achou que o Estado ficaria numa má situação com os candidatos que se apresentavam à época. Eu fui muito pressionado para sair para governador", disse o ex-governador na entrevista. "Mas eu fiquei aqui e trabalhando pela cidade. Fiz muita coisa como governador pela cidade de São Paulo."

 

Serra confirmou que está em negociações para receber o apoio do PR - partido que integra a base do governo Dilma Rousseff. "As alianças mais seguras hoje são com o DEM, com o PP e com o PSD. Mas estamos também conversando com outros partidos: o PSB, o PR e com outros partidos", afirmou.

 

O ex-governador também disse ontem que havia programado sua viagem ao Acre, no último sábado, antes de ter decidido disputar a Prefeitura. "Eu tinha me comprometido. São essas coisas da vida. Eu cumpro a minha palavra", afirmou.

 

A íntegra da entrevista está disponível no site da rádio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.