Para senadores, quebra de decoro de Sarney ficou clara

A confirmação de que o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), é o responsável pela fundação que leva o seu nome abriu caminho para uma investigação por quebra de decoro parlamentar. Para senadores ouvidos ontem, Sarney mentiu em plenário ao afirmar, na quinta-feira, que não tem ?nenhuma responsabilidade administrativa? na Fundação José Sarney, suspeita de desviar R$ 500 mil de uma verba da Petrobras para contas de empresas fantasmas e da família do senador. ?A mentira configura quebra de decoro. É coisa para perder o mandato?, avalia o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), indicado para integrar o Conselho de Ética.

AE, Agencia Estado

13 de julho de 2009 | 09h34

O jornal O Estado de S. Paulo revelou no sábado que o estatuto da entidade não deixa dúvidas sobre o comando exercido pelo parlamentar. Como fundador e presidente vitalício da entidade, Sarney assume ?responsabilidades financeiras?, tem ?poder de veto? e preside o conselho curador, formado por amigos e familiares. Um artigo diz que, em caso de morte de Sarney, sua mulher ou alguém da família assumirá o comando. Mais: uma coleção de fotos mostra o presidente do Senado assinando o convênio com a estatal em dezembro de 2005.

Na quinta-feira, em plenário, Sarney respondeu a uma indagação do senador Alvaro Dias (PSDB-PR) sobre as denúncias de desvios na fundação - que recebeu R$ 1,3 milhão da estatal para um projeto que não saiu do papel. ?Quero dizer a Vossa Excelência que eu não tenho nenhuma responsabilidade administrativa naquela fundação?, respondeu ele, segundo registro das notas taquigráficas. Dias sugere que a contradição seja investigada pelo Conselho de Ética. ?De boa ou má-fé, houve uma falsa informação.?

A assessoria de Sarney alega que ele deu poderes para o amigo José Carlos Sousa Silva presidir ?em exercício? a fundação. O Estado obteve o documento. O senador não abre mão do controle da entidade nem da presidência vitalícia. Apenas diz que o amigo - indicado por ele para ser juiz no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) - poderá substitui-lo em sua ausência. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.