Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Para secretário do RN Lula é o 'cara' e deve concorrer

Cipriano Neto aproveitou e pediu a regulamentação e o reconhecimento do cantor de cordel

Tânia Monteiro de O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2009 | 23h51

Ao participar na noite desta quinta-feira, 28, do primeiro Encontro Nordestino de Cordel, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se divertiu ao ouvir dos repentistas críticas à CPI da Petrobrás, elogios à ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, sua candidata à Presidência da República, e lamentações às suas afirmações de que não deseja concorrer a um terceiro mandato.

 

O presidente ouviu ainda do secretário de Cultura do Rio Grande do Norte, Cipriano Neto, uma série de versos, enumerando as razões pela quais ele sempre disse que Lula é "o cara", expressão só reconhecida pela imprensa, segundo ele, depois que o presidente norte-americano, Barack Obama, a repetiu para o mundo.

 

"O petróleo do pré-sal os gringos tiveram um troço porque Lula disse que é nosso. Há dias Lula declara que não está nem aí para os bestas da CPI. Por isso, Lula é o cara", afirmou Cipriano, que aproveitou para pedir regulamentação e reconhecimento da profissão de cantor de cordel. "Já que ele não está querendo ir para o terceiro mandato aproveite o segundo prá olhar pra gente de fato", ouviu Lula de outro cordelista que o homenageou. "O presidente Lula já nos deu a garantia de que leva para Pernambuco a maior refinaria, mas falta reconhecer a classe da cantoria", completou.

 

Já a dupla Chico de Assis e Antonio Lisboa ao cantar seus versos, disse que eram militantes do Partido dos Trabalhadores e emendou: "no PT discutirmos sempre com as correntes. Como Dilma, as mulheres são guerreiras. Como Lula, os poetas são decentes". As duplas criticaram até mesmo a direita, provocando risos nos presentes: "a direita caiu mas está viva e se deixarmos ela vem mais forte do que antes".

 

Ao final do evento, patrocinado pela Caixa Econômica Federal, o presidente Lula mostrou empenho e interesse em atender aos pleitos da categoria. Lula recomendou ao ministro da Cultura, Juca Ferreira, que estava ao seu lado, que inserisse na programação da TV pública, pelo menos uma hora de apresentação de cantores de cordel.

 

"Quem já andou pelo Nordeste sabe que a única coisa que o povo vê é a TV passando aqueles enlatados. Ou um companheiro apresentando um cordel na porta do boteco ou da igreja. Juca, bem que poderia ter uma hora na TV Pública para apresentar os artistas de cordel", afirmou, sob aplausos da plateia.

 

Lula, tirou fotos com os presentes e chegou até mesmo a pousar ensaiando que ia tocar no violão de um dos repentistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.