Para Sarney, CPI será foco de muita tensão no Congresso

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse hoje que a criação da CPI mista para investigar remessas ilegais de dólares ao exterior será foco de muita tensão no Congresso. Mas, na sua avaliação, o andamento da CPI não irá paralisar as atividades legislativas que estão voltadas para a votação das reformas. Durante a convocação extraordinária de julho, o Senado, segundo Sarney, tentará avançar na reforma do judiciário.Em uma conversa informal com jornalistas, durante café da manhã, o senador disse também que a convocação poderá ser usada para votar mais de 40 medidas provisórias que ainda tramitam no Congresso com base nas regras anteriores (que precisam ser aprovadas em sessão conjunta da Câmara e Senado). Pela nova legislação, as MPs são apreciadas separadamente em cada Casa. José Sarney afirmou ainda que as reformas encaminhadas pelo governo podem não ser as ideais, mas as possíveis, ressaltando que nunca se deve impor soluções. "Ninguém faz reforma impossível. Ela sempre é resultado da média do pensamento dos setores envolvidos", observou. Sarney não quis comentar as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em entrevista ao site do PSDB. Ele disse que, como ex-presidente da República, prefere o silêncio sobre manifestações de pessoas que ocuparam o mesmo cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.