DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Para Rossetto, Congresso vai assumir responsabilidade no ajuste fiscal

Ministro da Secretaria-Geral da Presidência disse estar seguro em relação a negociação com a Câmara e o Senado para aprovar medidas

Gabriela Lara, correspondente, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2015 | 17h19

Porto Alegre - O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, afirmou que é "madura" a negociação do Palácio do Planalto com o Legislativo para garantir apoio na implementação de medidas de ajuste fiscal. "(O Congresso) deverá apresentar alternativas e sugestões, mas estamos muito seguros, pelo diálogo que estamos fazendo com todas as lideranças, que o Congresso vai sim cumprir com sua responsabilidade, aprovar essas medidas e apresentar seguramente outras medidas importantes, não só para o ajuste fiscal, mas para a qualificação da política econômica brasileira", avaliou o ministro em Porto Alegre.


Na terça-feira, após ser avisado de que seu nome está entre os futuros investigados da Operação Lava Jato, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), determinou a devolução da Medida Provisória 669. A MP reduz o benefício fiscal de desoneração da folha de pagamentos e integra as medidas tomadas pelo governo na tentativa de equilibrar as contas da União num cenário de declínio na área econômica. 

Rossetto disse que o País não atravessa uma crise fiscal e que as ações que estão sendo defendidas pelo governo - como o aumento de impostos e o ajuste em determinadas regras trabalhistas - são preventivas. "Não temos nenhuma crise fiscal, temos problemas fiscais. Nós temos que impedir crise fiscal, tomando as iniciativas neste momento", falou. "O Brasil não é a Grécia nem a Espanha, nem outros países que convivem com desempregos altíssimos, inflações altíssimas."

Segundo ele, todo o esforço do governo é no sentido de retomar um padrão de crescimento e investimento. "O cenário que trabalhamos é para que já no segundo semestre tenhamos uma retomada desse ambiente de crescimento." O ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Pepe Vargas, que também está na capital gaúcha, participa, no início da noite, de um encontro com prefeitos e vice-prefeitos do PT no Rio Grande do Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
Ajuste FiscalDilma RousseffCongresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.