Para Requião, Chávez 'exagerou' com reeleição ilimitada

O governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), que é simpatizante do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse hoje, em Curitiba, que ele "exagerou na mão", ao incluir a reeleição ilimitada na proposta de reforma constitucional que foi derrotada no plebiscito realizado domingo. No entanto, Requião criticou a imprensa por não ter condenado, com a mesma veemência feita contra Chávez, iniciativas semelhantes.O governador do Paraná disse que "pesquisou na internet" e que descobriu que "essa história de eleição continuada não é novidade". Segundo relatou aos participantes da Escola de Governo, que reúne o secretariado e assessores diretos todas as terças-feiras, no auditório do Museu Oscar Niemeyer, na capital paranaense, o mecanismo existiu nos Estados Unidos, com o presidente Thomas Jefferson (1801-1809). "Parece que mudou quando Franklin Delano Roosevelt morreu", afirmou. Jefferson governou os EUA de 1933 a 1945, quando morreu.Requião também afirmou que, há "alguns anos atrás, dois, três, quatro anos, não sei exatamente", a França também fez uma reforma no sistema eleitoral. "O presidente deixou de ser eleito por sete anos e passou a ser eleito por cinco anos, com a possibilidade de eleição continuada, sem limitação", declarou. "Não ouvi nenhum grito de protesto da imprensa internacional", ressaltou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.