Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

Para Renan, Temer é a melhor pessoa para resgatar coalizão de Dilma

Presidente do Senado afirmou que indicação de Temer foi uma medida 'ousada e competente' e que cria um ambiente para que se faça uma 'revisão geral' da forma de atuação política do governo

Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

08 Abril 2015 | 11h28

Atualizado às 13h15

Brasília - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta quarta-feira, 8, que considera o vice-presidente e presidente do PMDB, Michel Temer (SP), a “melhor pessoa” para resgatar a coalizão de partidos que apoiam a presidente Dilma Rousseff (PT). Temer foi indicado na terça por Dilma para a função depois de uma operação frustrada para levar à Secretaria de Relações Institucionais o peemedebista Eliseu Padilha (RS), ministro da Secretaria da Aviação Civil. 

Padilha recusou o convite após sofrer resistências nos bastidores principalmente do próprio Renan e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Como justificativa oficial, ele alegou motivos pessoais - um filho recém-nascido.

“A presença do Michel, dentre outras coisas, pode muito melhorar a qualidade da coalizão. Um dos grandes problemas do Brasil é que a coalizão não tem fundamento programático. É fundamental que ela tenha um fundamento. A coalizão é em torno de quê? O Michel é a melhor pessoa para estabelecer isso”, afirmou Renan, em rápida entrevista após visitar, na Comissão de Serviços de Infraestrutura, o ministro de Minas e Energia e senador licenciado, Eduardo Braga (PMDB-AM).

No final de fevereiro, Renan Calheiros chegou a dizer que a aliança de partidos que dão sustentação ao governo Dilma estava “capenga”. Ele se queixou do fato de que o PMDB vinha sendo alijado das principais decisões tomadas pelo Executivo. Além de ocupar a Vice-Presidência, o partido ocupa as presidências da Câmara e do Senado, tendo, nas duas Casas Legislativas, as maiores bancadas. Com dificuldades na articulação com o Congresso, o governo tem acumulado sucessivas derrotas políticas neste início de ano.

O presidente do Senado, contudo, esquivou-se de responder se a operação que culminou na indicação de Temer - com a extinção da Secretaria de Relações Institucionais, ocupada pelo petista Pepe Vargas - foi atrapalhada. Ele disse que a indicação de Temer foi uma medida “ousada e competente” e que, na avaliação dele, cria um ambiente para que se faça uma “revisão geral” da forma de atuação política do governo.

Para Renan Calheiros, Temer “qualifica muito” a relação com o Congresso e com os partidos. O vice-presidente presidiu a Câmara dos Deputados em três oportunidades. “Ninguém melhor do que o presidente Michel Temer para exercer com competência essa tarefa que é, como todos sabem, complexa”, destacou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.