Para Renan, juiz 'usurpa' competência do Supremo

Líder do PMDB no Senado critica decisão de magistrado da 14ª Vara Federal do DF de suspender nomeação de Moreira Franco

Julia Lindner e Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2017 | 19h01

BRASÍLIA - O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), lamentou a decisão do juiz Eduardo Rocha Penteado, da 14.ª Vara Federal do Distrito Federal, de suspender a nomeação de Moreira Franco para o cargo de ministro da Secretaria-Geral do Governo. "Mais uma vez um juiz de primeira instância usurpa a competência do Supremo Tribunal Federal", declarou. Para Renan, a determinação é "um horror".

"Quando ministros do STF procuraram essa Casa para votar lei de abuso de autoridade, era sobretudo para evitar que essas usurpações de instâncias inferiores continuem acontecendo no Brasil, porque isso só instabiliza o País", disse Renan. O projeto que propõe mudanças na lei de abuso de autoridade, criado em 2009, foi resultado de um pacto republicano articulado entre os chefes dos três poderes, entre eles ministros do Supremo.

Renan também disse que é "isento" para fazer críticas ao juiz em primeira instância, pois também criticou a decisão que suspendeu a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao cargo de ministro-chefe da Casa Civil, durante o governo Dilma Rousseff, no ano passado. "E mais uma vez um juiz de primeira instância afronta o STF. Acho isso um horror, uma distorção institucional", continuou o líder do PMDB.

O peemedebista também lamentou a possibilidade de um juiz de primeira instância poder invadir as competências do Congresso. No ano passado, em razão da Operação Métis, na qual quatro policiais legislativos foram presos, ele chamou o juiz federal que autorizou a ação de "juizeco". "Um juizeco de primeira instância não pode, a qualquer momento, atentar contra um poder", declarou Renan na época. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.