Para relator, ex-mulher tentou proteger Buratti

Terminou na CPI dos Bingos, o depoimento da ex-mulher do advogado Rogério Buratti, a professora Elza Gonçalves Buratti. Para o relator da CPI, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN) Elza tentou proteger o ex-marido e não fez revelações sobre as denúncias de Buratti da existência de um esquema de desvio de dinheiro das prefeituras petistas para abastecer o caixa 2 do partido.Elza confirmou que esteve em uma casa em Angra dos Reis com Buratti e em companhia do ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci. Ela se confundiu, no entanto, ao falar sobre a data do encontro. Para a CPI, o encontro foi em novembro de 2002, mas Elza garantiu que Palocci já era ministro e, portanto, a viagem aconteceu depois de janeiro de 2003. Palocci sempre omitiu essa viagem nas vezes em que foi perguntado sobre encontros com Buratti, depois da eleição de Lula. No máximo o ex-ministro admitia ter recebido Buratti e Elza em sua casa, em Brasília. Elza confirmou essa visita, também.No depoimento que prestou à Polícia Federal, em Ribeirão Preto, no último mês de setembro, Elza já havia desmentiu a afirmação de Palocci, de que não mantinha amizade com Buratti desde 1994, quando ele deixou de ser seu secretário de Governo na prefeitura de Ribeirão.Segundo Elza, mesmo como ministro, Palocci e Buratti continuaram ligados. Ela disse que esteve duas vezes com o ex-marido na casa do ministro em Brasília.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.