Para Rebelo, Brasil vive momento de transição

O novo ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, disse, em discurso ao receber o cargo do ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, que a política é uma das formas para o governo e o País superarem o atraso econômico e social e retomar o crescimento, o desenvolvimento, a justiça social e a criação de empregos. Segundo ele, a melhoria dos quadros econômico e social só pode ser realizada por meio da política. Em discurso no qual fez elogios a Dirceu e lembrou de "estadistas" como os ex-presidentes Floriano Peixoto, Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek, Rebelo disse que o País vive um momento de transição política e social, com a entrada de novas forças sociais. Ele agradeceu o apoio de líderes da oposição no Congresso, durante o período em que atuou como líder do governo na Câmara, e lembrou sua trajetória política. "Eu recebo esta tarefa do presidente Lula como as tarefas que me habituei a cumprir, desde os tempos de estudante, como dirigente de diretório estudantil e como presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes)", disse.A solenidade de transmissão, muito concorrida, contou com a presença, entre outros, do presidente da República em exercício, José Alencar; dos ministros da Justiça, Márcio Thomaz Bastos; do Trabalho, Ricardo Berzoini; da Controladoria Geral da União, Waldir Píres; das Comunicações, Eunício Oliveira; da Advocacia Geral da União, Álvaro Augusto Ribeiro; da Segurança Institucional, Jorge Armando Félix, e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias. Também estiveram presentes os presidentes da Câmara e do PMDB, deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e Michel Temer (SP), além de líderes partidários e parlamentares em geral. Dentro de instantes, Aldo Rebelo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.