Para que o leitor se lembre: por que a renúncia

O senador Antônio Carlos Magalhães apresenta sua renúncia hoje da tribuna do Senado - assim como o senador José Roberto Arruda fez no dia 24 passado - para não perder seus direitos políticos. Renunciando, ACM pode candidatar-se a qualquer cargo público, em qualquer eleição. Ele deverá ser candidato já nas eleições do ano que vem - ou a uma cadeira no próprio Senado, ou ao governo da Bahia. E com grandes chances de ser eleito: segundo pesquisas de opinião, ACM teria mais de 50% dos vots para qualquer um dos dois cargos. Está na Mesa do Senado a recomendação da Comissão de Ética de abertura de processo de cassação do mandato dos dois senadores, acusados de fraudar o painel de votação secreta do Senado. A Comissão fez a recomendação ao aprovar, por 13 votos a 2, no último dia 23, o relatório do senador Saturnino Braga.A partir do momento em que a Mesa determinasse a abertura do processo de cassação (na hipótese, naturalmente, de a cassação ser aprovada), ACM e Arruda perderiam os direitos políticos por oito anos. A renúncia, assim, teria mesmo que ser apresentada antes da decisão da Mesa sobre a recomendação da Comissão de Ética.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.