Para PSDB, comparação feita pela AGU é 'equivocada'

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), considera "totalmente equivocada" a comparação feita pela Advocacia Geral da União (AGU) entre o Encontro de Prefeitos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, com "atos administrativos regulares do governador José Serra (governador de São Paulo)". Em nota divulgada na noite de hoje, o presidente do PSDB diz que, "ao tentar igualar esses atos com uma agenda de campanha realizada pelo governo federal com prefeitos de todo o País, a um custo até agora não totalmente esclarecido, mas que fica na casa dos milhões, a AGU só reforça a verdade que tenta esconder".Segundo o senador, o governador de São Paulo, José Serra, tem feito encontros com prefeitos, regularmente, para tratar de programas do governo do Estado para os municípios que eles representam. "Diferentemente do evento federal, nenhum deles contou com patrocínio de estatais, estandes montados para divulgar as ações do governo, serviço de buffet contratado, traslado de prefeitos, esposas e assessores, etc, nem durou mais do que poucas horas", diz a nota.De acordo com a nota do PSDB, os encontros de Serra, citados pela AGU, foram eventos regulares, "que usaram a estrutura já existente do governo do Estado, sem custo adicional ou gasto com os prefeitos participantes, que a eles compareceram para trabalhar". "É assim que o governo do PSDB trata o dinheiro do contribuinte, o que torna a comparação absolutamente descabida", diz a nota.Para rebater a acusação de que o presidente Lula e a ministra Dilma usaram o Encontro Nacional de Prefeitos e Prefeitas para fazer campanha, a AGU afirmou que Serra também promoveu reuniões com prefeitos paulistas neste ano. A defesa da AGU, encaminhada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é uma resposta à representação protocolada, na semana passada, pelo DEM e PSDB, na qual os partidos de oposição alegam que Lula e Dilma teriam utilizado o encontro de prefeitos como palanque eleitoral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.