Para Protógenes, prisão tira foco da corrupção

O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz afirmou ontem, em um ato contra a corrupção em Porto Alegre promovido pelo PSOL, que a prisão do delegado Romero de Menezes "é uma inversão do foco". "Está se discutindo a maneira de agir da polícia e deixando de ver o grande crime social que é a corrupção existente no País." Protógenes disse não poder falar sobre as acusações contra Menezes, pois as investigações são secretas. "O que posso afirmar concretamente é que o Eike Batista é associado ao Daniel Dantas", disse, referindo-se a uma suposta relação entre os dois empresários. A MMX, empresa de Batista, é citada nas investigações que levaram à prisão do delagado Menezes.Queiroz ressaltou que ficou famoso por ter prendido e algemado Daniel Dantas - e mais ainda depois de o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, ter mandado soltar o banqueiro e legislado sobre a forma de agir da polícia através da súmula vinculante limitando o uso de algemas. O delegado criticou a restrição."Na cidade de São Fidelis, no Estado do Rio de Janeiro, ao anunciar uma sentença que condenava a 17 anos um criminoso, a juíza Juliana Andrade Barichelo teve que se refugiar em uma sala junto com a promotora pois o condenado, furioso, avançou contra ela. Foi preciso uma dezena de policiais e agentes para conter o criminoso furioso. Ele não estava algemado", exemplificou.Em uma palestra para cerca de 50 pessoas presentes ao ato, no escritório do advogado Pedro Ruas, o delegado enfatizou a necessidade de uma campanha contra a corrupção e lembrou que sua carreira foi marcada por investigar e prender políticos corruptos.EMPRESÁRIOO empresário Eike Batista, por meio de sua assessoria de imprensa, negou "peremptoriamente" ter qualquer associação ou negócio com Daniel Dantas.Em comunicado, o Opportunity informou que os fundos de investimentos geridos pelas gestoras de recursos do grupo Opportunity aplicam apenas 0,22% de seu patrimônio em ações das companhias controladas pelo empresário Eike Batista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.