Para Planalto, baixa aprovação de Temer é reflexo de 'rejeição da classe política'

Segundo levantamento, porcentagem da população que considera a gestão provisória do presidente em exercício boa ou ótima é de apenas 13%. A parcela dos entrevistados que avalia a atual gestão como ruim ou péssima é de 39%

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2016 | 14h25

Brasília - O presidente em exercício, Michel Temer, minimizou o resultado da pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Ibope, que revelou um baixo índice da aprovação do seu governo. Segundo interlocutores, o resultado era esperado devido "ao pouco tempo" de gestão do peemedebista. Para o Planalto a alta rejeiçãode Temer "espelha a rejeição da classe política e não do governo"

Além disso, fontes ligadas ao presidente, afirmaram que o resultado mostra um melhor posicionamento de Temer em relação à presidente afastada Dilma Rousseff. 

Segundo a pesquisa, porcentagem da população que considera a gestão provisória do presidente em exercício Michel Temer boa ou ótima é de apenas 13%. A parcela dos entrevistados que avalia a atual gestão como ruim ou péssima é de 39%. Já os que consideram o governo regular são 36%. Outros 13% não souberam ou não quiseram responder. Todas as variações ocorreram dentro da margem de erro máxima de dois pontos porcentuais.

 Apesar de tentar relativizar, interlocutores reconhecem que o presidente em exercício teve o desgaste com a saída de ministros e dizem que "até o impeachment ele precisa ter cautela nas ações, pois não pode deixar rejeição aumentar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.