Para Philemon Rodrigues, notificação da CPI é perseguição política

O deputado Philemon Rodrigues (PTB-PB) atribuiu a notificação que recebeu da CPI das Sanguessugas a uma perseguição política do deputado Fernando Gabeira (PV-RJ). O deputado afirmou que ele e Gabeira têm diferenças ideológicas e que, por isso, o integrante da CPI estaria querendo envolvê-lo no escândalo de venda superfaturada de ambulâncias com recursos públicos."Venho defendendo o direito da família, contra o aborto discriminado, contra a pesquisa embrionária (célula tronco), contra o casamento de homem com homem e mulher com mulher", afirmou Rodrigues, referindo-se às suas diferenças com Gabeira.Rodrigues disse que os donos da Planam, empresa do esquema de venda superfaturada, nunca o procuraram. Ele disse também que entregou à CPI documentos nos quais os empresários Luiz Antonio e Darci Vedoin, em depoimento à Polícia Federal, teriam afirmado que não fizeram negócios com ele.O presidente da CPI dos Sanguessugas, deputado Antonio Carlos Biscaia, anunciou nesta terça que iria notificar ainda hoje mais três parlamentares: o próprio Rodrigues, o deputado Salvador Zimbaldi (PSB-SP) e o senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.