Para PF, reportagem revela trama contra governo

A Polícia Federal divulgou nota à imprensa informando que vai abrir nesta segunda-feira inquérito para apurar, "em toda a extensão, os fatos divulgados na reportagem ´A Guerra dos Porões´, da revista Veja, tendo em vista as notícias que evidenciam a produção de "dossiês forjados para tentar incriminar falsamente autoridades públicas". A revista informou que o banqueiro Daniel Dantas teria um dossiê contendo dados sobre contas ilegais no exterior de que integrantes do governo, entre eles o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A reportagem não conseguiu dizer se os dados eram verdadeiros ou não. O diretor-geral da PF, Paulo Lacerda, afirmou que a matéria denota "má-fé" do jornalista Márcio Aith e "irresponsabilidade" do veículo, além de "conduta criminosa por parte dos autores da farsa". A nota da PF informou que já estava em curso na corporação uma investigação sobre a possível elaboração de dossiês com documentos forjados para tentar incriminar autoridades do atual governo. A Polícia Federal já tinha alertado sobre o andamento de uma ação ardilosa para atribuir falsamente a integrantes do atual governo a titularidade de recursos financeiros ilegais mantidos fora do Brasil, diz a nota. "A divulgação da revista Veja veio comprovar a autoria da trama criminosa, arquitetada e levada a efeito por um grupo de pessoas com histórico de envolvimento em delitos de violação de sigilo, divulgação de segredo, interceptação telefônica ilegal, corrupção e formação de quadrilha, apurados pela própria Polícia Federal", diz o texto. A nota também afirma que o diretor-geral da PF, Paulo Lacerda, um dos citados na reportagem da revista como detentor de conta no exterior, determinou na ocasião do alerta a investigação dos fatos, inclusive sobre ele mesmo, autorizando o acesso a seu sigilo bancário e fiscal no Brasil e no exterior. Lacerda aproveitou para negar "expressamente" que tem ou teve "valores ou bens no exterior".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.