Para Paulinho, reunião do mínimo teve tom político. Marinho nega

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, deu a entender, ao término da reunião entre representantes das centrais sindicais e o governo sobre salário mínimo e Imposto de Renda da Pessoa Física, que o encontro de hoje teve um tom político. Segundo ele, os sindicalistas comentaram, na reunião, que, se o governo fechar um acordo com eles, isso tornará mais fácil ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter o apoio das centrais numa eventual campanha pela reeleição.Perguntado sobre a colocação de Pereira da Silva, o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, afirmou que não houve discussão sobre campanha eleitoral. Ele lembrou que Lula já afirmou publicamente que não tomará decisões na esfera econômica em função do ano eleitoral."Não conversei sobre isso com as centrais, e não queremos vincular a discussão do salário mínimo à campanha eleitoral", afirmou Marinho. "O que facilita um aumento maior para o mínimo é a saúde da economia".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.