Para os obesos, 60 minutos por dia de atividade

É inevitável. Quem quiser se prevenir contra o ganho de peso deve reservar de 45 a 60 minutos por dia para atividades físicas. Ex-obesos precisam se exercitar mais ainda para não voltar a ganhar os quilos perdidos. Para eles, são necessários de 60 a 90 minutos diários. A recomendação foi divulgada nesta segunda-feira durante o 9.º Congresso Internacional de Obesidade, em São Paulo. O pesquisador Wim Saris, do Centro de Pesquisa Nutricional da Universidade de Maastricht, na Holanda, explicou que os 30 minutos diários de atividade física recomendados pela Organização Mundial da Saúde previnem doenças como as cardiovasculares e a diabete, mas são insuficientes para evitar excesso de peso. "Não andamos mais para conversar com um colega ou ir ao banco", alertou Saris. "Fazemos tudo pela internet. Estamos comendo mais e gastando menos energia." Segundo o endocrinologista Marcio Mancini, presidente da Associação Brasileira para Estudo da Obesidade (Abeso), grande parte da população mundial corre o risco de ganhar peso. Estima-se que 40% dos brasileiros estejam acima do peso normal. Nos EUA, a porcentagem já chega a 60%. A obesidade é doença crônica e tem tratamento: dieta, programa orientado de atividade física, mudança de comportamento, medicamentos e até cirurgia para reduzir o estômago nos casos mais graves. Mas, enquanto os especialistas já estão convencidos disso, o mesmo não ocorre com os pacientes.Muitos ainda procuram terapias alternativas para emagrecer - chás, cápsulas de ervas, massagens e ginástica passiva. O alerta foi dado por Gary Egger, do Centro de Pesquisa e Promoção à Saúde de Sydney, na Austrália. Ele explicou que todos os tratamentos para obesidade precisam alterar a quantidade de calorias que o indivíduo gasta ou ingere, senão não funcionam. Mancini fez ampla pesquisa sobre essas terapias que prometem emagrecimento. Segundo ele, não há provas científicas de que a maioria funcione. Entre os norte-americanos que se tratam para emagrecer, apenas 30% usam tratamentos tradicionais (comprovados cientificamente) como dieta, programa orientado de atividade física ou medicamentos prescritos pelo médico. Na Austrália, como no Brasil, produtos à base de ervas que podem ser comprados sem receita estão entre as terapias mais sedutoras. "As pessoas devem tratar obesidade como doença, não como problema estético", ressaltou Mancini.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.