Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Para oposição, PT perde com os dois resultados

Parlamentares destacam votação pouco expressiva de Chinaglia e avaliam que eventual investigação contra Renan na Lava Jato trará prejuízo à sigla de Dilma

Isadora Peron e Ricardo Brito, O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2015 | 02h02

BRASÍLIA - A oposição comemorou nesse domingo, 1, a vitória de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a presidência da Câmara e lamentou a reeleição de Renan Calheiros (PMDB-AL) no Senado. Mas a avaliação de parlamentares é que os dois resultados prejudicam o PT.

Na Câmara, os oposicionistas afirmam que o fato de o candidato do PT, Arlindo Chinaglia (SP), ter obtido uma votação pouco expressiva indica que a presidente Dilma Rousseff terá dificuldades de reorganizar a sua base aliada.

A avaliação que predominou foi a de que o governo não conseguiu impedir a chegada de um desafeto da presidente ao mais alto comando da Câmara mesmo após usar todas as armas,

"Eduardo Cunha vencer era previsível, mas o governo passou um vexame", avaliou o deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA). Segundo ele, o PSDB entregou os votos que prometeu ao candidato do PSB, Júlio Delgado (MG), mas a eleição não foi para o segundo turno porque Chinaglia teve um desempenho abaixo do esperado.

A expectativa dos oposicionistas agora é que Cunha, mesmo sendo do PMDB, mantenha uma posição de independência em relação ao governo e ajude a aprovar pautas que desagradem ao Palácio do Planalto, como a instalação de uma nova CPI para investigar o esquema de corrupção na Petrobrás, à qual o peemedebista já se manifestou ser favorável.

No Senado, a oposição fez questão de creditar a vitória de Renan aos 13 senadores do PT, que decidiram por unanimidade apoiar o senador alagoano.

Ironia. "Acho que o senador Renan deve uma palavra especial de agradecimento à bancada do PT, que, mais do que a do PMDB, garantiu a sua vitória", afirmou o senador Aécio Neves (PSDB-MG), logo após o resultado.

A avaliação da oposição é que o PT vai ser julgado pela opinião pública caso o nome de Renan seja um dos citados pelo Ministério Público Federal. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, trabalha com fevereiro como prazo final para pedir a abertura de inquéritos ou apresentar denúncias contra os parlamentares envolvidos no esquema de corrupção da Petrobrás. O novo líder do DEM, senador Ronaldo Caiado, disse que "o PT quis reelegê-lo (Renan) para ele acobertar tudo isso que está acontecendo."

Eduardo Cunha também foi citado na Lava Jato pelo doleiro Alberto Youssef como beneficiário do esquema. Ele e Renan rechaçam o envolvimento de seus nomes.

Sobre a reeleição de Renan, Aécio disse ainda que espera que o peemedebista seja, neste segundo mandato que se inicia, mais um presidente do Poder Legislativo do que um aliado do Palácio do Planalto. No ano passado, ele acusou o senador alagoano de atuar a serviço do governo Dilma Rousseff. "O Congresso Nacional não pode continuar a ser um puxadinho do Palácio do Planalto", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Senado Câmara presidência oposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.