Para oposição, presidente 'ilude' o povo

Aécio diz que petista deveria pedir desculpas por situação econômica e Caiado ataca tentativa do governo de vender ‘versão fantasiosa’ do País

DANIEL CARVALHO E DAIENE CARDOSO, O Estado de S. Paulo

27 de janeiro de 2015 | 20h50

Atualizado às 23h33

Brasília - O principal foco de críticas da oposição ao pronunciamento feito nessa terça-feira, 28, pela presidente Dilma Rousseff, na abertura da primeira reunião ministerial deste segundo governo, em Brasília, foi a situação econômica do País. 

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, disse em nota que a presidente deveria pedir desculpas aos brasileiros “pelos erros que cometeu e que trouxeram o País à grave situação”. “Ao invés de combater a inflação, a paralisia da economia, a falta de confiança, a presidente pede que ministros combatam boatos”, diz o texto publicado na página da sigla na internet.

Já o líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA) classificou de “mentira” o que foi dito pela presidente da República. “A quem ela pensa que pode enganar? Esse tipo de mentira recorrente e a tentativa permanente de iludir a opinião pública causa revolta e a descredencia ainda mais. Não basta mentir durante toda a campanha como candidata e agora vai continuar mentindo como presidente? Tem que ter vergonha. Está faltando vergonha”, atacou. 

Segundo líderes do DEM no Congresso, a fala de Dilma demonstra que o governo quer combater a crise com “retórica”. Para o líder da bancada na Câmara, Mendonça Filho (PE), e para o líder da oposição no Congresso, deputado federal e senador eleito Ronaldo Caiado (GO), Dilma tenta adotar agora o marketing da campanha eleitoral petista de “vender uma versão fantasiosa” da situação econômica do País. Os oposicionistas criticaram o apelo de Dilma para que os ministros “travem a batalha da comunicação”. 

“Dilma venceu a eleição defenestrando seus opositores e agora recorre ao ‘estilo João Santana’(marqueteiro da campanha presidencial) para que ministros vendam esse Brasil de ilusão que foi forjado durante a campanha. Não é com a continuação da mentira que a inflação vai diminuir e o País vai voltar a crescer”, atacou Caiado. 

Mendonça Filho também reagiu contra as mensagens do discurso. “Dilma mandou a conta do descalabro econômico para a classe média e ainda tem a coragem de ir a público pregar diante de seus ministros a continuação da guerra de comunicação. Ela quer combater a crise com a retórica”, afirmou. 

A presidente disse ontem que as medidas de ajuste adotadas pelo governo são de “caráter corretivo”. Para a oposição, o governo faz uma “confissão” de falhas na condução da política econômica nos últimos anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.