Brasília - A oposição na Câmara dos Deputados reagiu à informação de que a presidente Dilma Rousseff aprovou, em 2006, a compra de 50% da refinaria de Pasadena pela Petrobrás, em um negócio que acabou custando US$ 1,18 bilhões à estatal e que está sob investigação. Para PSDB e DEM, a justificativa de Dilma, de que só apoiou a medida por ter recebido "informações incompletas" de um parecer "técnica e juridicamente falho", é insuficiente e "escapista".

19 Março 2014 | 17h07

"Dizer que concordou com um negócio escandaloso como esse, que provocou um prejuízo de US$ 1 bilhão à Petrobrás, porque se baseou em informações incompletas é uma atitude escapista, de quem quer jogar a culpa em subordinados", criticou o líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA).

"Acho importante que a sociedade conheça a participação de cada autoridade (no caso), inclusive a da presidente", acrescentou Mendonça Filho (DEM-PE).

Nesta quarta, o Estado mostrou que Dilma, à época ministra da Casa Civil e à frente do Conselho de Administração da Petrobrás, votou favoravelmente à compra da refinaria, localizada no Texas (EUA). A compra inicial de 50% de Pasadena saiu por US$ 360 milhões. Posteriormente, devido a cláusulas contratuais, a Petrobrás teve de adquirir o restante da refinaria, desembolsando um total de US$ 1,18 bilhão.

A aquisição atualmente é investigada pela Polícia Federal, Tribunal de Contas da União e pelo Congresso por suspeitas de superfaturamento e de evasão de divisas.

Para Imbassahy, Dilma prefere "eleger culpados" para não assumir sua responsabilidade no caso. "Um erro dessa magnitude da presidente do Conselho de Administração da Petrobrás é imperdoável. E o vergonhoso é que o responsável pelo tal parecer falho foi premiado: até hoje é diretor da Petrobrás", disse o tucano.

Imbassahy se refere a Nestor Cerveró, que comandava na época da transação a diretoria internacional da Petrobrás, responsável pelo "resumo executivo" sobre o negócio Pasadena. Hoje, ele é diretor financeiro de serviços da BR-Distribuidora.

O líder do DEM, Mendonça Filho, também questionou o atual cargo de Cerveró. "Você não pode promover alguém que contribuiu para dar um prejuízo enorme à Petrobrás para que ele continue encarregado de algo tão relevante: o controle financeiro da empresa", resumiu.

Defesa. Diante das revelações, governistas saíram em defesa da presidente Dilma Rousseff e disseram que ela não pode ser responsabilizada pelo caso. "Cabe à Petrobrás esclarecer e eu não vejo nenhuma chance de se atribuir à presidente Dilma esse tipo de responsabilidade", argumentou o líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). "Eu já ouvi explicações da presidente (da Petrobrás) Graça Foster dizendo que é próprio do mercado petroleiro aquilo que ocorreu (com Pasadena). Eu nem assino embaixo que isso foi um erro da Petrobrás", concluiu Chinaglia.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.