'Para onde vai a coerência?', diz Goldman sobre Afif

'Aqui com o PSDB, lá com o PT', escreveu tucano em blog. Vice-governador de São Paulo vai assumir ministério no governo federal

08 de maio de 2013 | 17h00

SÃO PAULO - O vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman, publicou em seu blog nesta quarta-feira, 8, que é "inaceitável" a atitude do vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos (PSD), que vai assumir a Secretaria de Micro e Pequena Empresa sem deixar o cargo no Palácio do Bandeirantes.

"Alguns dizem que, sob o aspecto jurídico, ser ministro e manter o cargo de vice governador, não é incompatível.  A meu ver é gritantemente ilegal.  Mas, mais que isso, é politicamente inaceitável. Aqui com o PSDB, lá com o PT.  Para onde vai a coerência?  Como interpretará o eleitor?", escreveu.

Em tom desgostoso, Goldman afirmou que ele e Afif sempre fizeram campanhas juntos, nas quais tinham como adversário comum o PT.  Agora, diz, ele continuará na oposição e Afif vai fazer parte do governo federal. “Fomos vitoriosos várias vezes e fomos derrotados nas eleições presidenciais quando se elegeu Lula e Dilma presidentes. Juntos não chegamos lá. Ele, agora, de certa forma, chegou. Vai ser ministro”, afirmou, fazendo referência ao jingle usado por Afif para concorrer à Presidência da República em 1989.

Para Goldman, os eleitores que votaram na chapa composta por Afif e o tucano Geraldo Alckmin, em 2010, fizeram uma escolha contra "o avassalador domínio petista na área federal".  

O discurso mais crítico do vice-presidente do PSDB destoa dos demais tucanos, que têm evitado atacar o Afif. Alckmin chegou a divulgar uma nota onde parabeniza Dilma por indicar o nome do vice-governador para o ministério.

Tudo o que sabemos sobre:
AfifGoldmanvice

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.