Para OAB, fala de Lula não é motivo para crise institucional

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Rubens Approbato Machado, disse, após participar da solenidade de posse de três novos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que não houve anormalidade no fato de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não ter comparecido à cerimônia. Segundo ele, a regra é que quem indica os ministros não comparece às posses no Supremo. Approbato disse não ver motivo para que se crie uma crise entre o Executivo e o Judiciário por causa das declaraçãoes feitas ontem por Lula de que nem o Congresso, nem o Judiciário o impedirão de colocar o Brasil numa posição de destaque. "Não vejo motivo para criar uma crise institucional no País porque o presidente disse alguma coisa, o outro presidente respondeu e isso criar um seccionamento de Poderes. O Brasil não pode ter isso". Imagem de retórica O presidente do TST, Francisco Fausto, disse que Lula tem sido infeliz em seus pronunciamentos e acaba agredindo sem querer agredir. "Ontem, mais uma vez, ele falou como líder sindicalista. Susbtituiu a tribuna do ABC paulista pelo púlpito do Palácio do Planalto", disse. Ele acha que, se o presidente estender a mão, o Judiciário aceitará o gesto, mas defendeu abertura de negociações entre os dois Poderes. O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, também presente à solenidade, disse que Lula não quis ofender nenhum Poder e apenas usou imagem de retórica. Segundo ele, quem ainda não entendeu isso vai acabar entendendo. "Ele expressou sua determinação, sua vontade de fazer as reformas que, na opinião dele e na nossa opinião, seriam indispensáveis para constuir uma democracia de massas no Brasil", afirmou o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.